A Terceira Onda. (Coronavírus)

Sempre que tenho a chance pergunto a treinadores como estão os negócios nas assessorias em quarentena. O cenário é geral: queda considerável do número de alunos. O ser humano até aceita pagar por algo que ele não usa, mas não gosta de pagar por algo que ele não pode usar, ainda que faça bem logo logo. Então era esperada e natural a queda.

Mas nas nossas conversas em off no 3 Lados da Corrida acho que eu e o Ricardo Hirsch pensamos bem parecidos: há uma queda agora e quando os parques e academias reabrirem haverá OUTRA queda porque o temor será ainda mais visível. Ou ainda mesmo nas provas… como ficar ombro a ombro com milhares de pessoas?

Isso me preocupa pouco, bem pouco. É a terceira onda que eu temo. Sairemos dessa fase com pessoas passando álcool em gel na caixa da pizza e no pacote de batata palha porque o ser humano é MUITO ruim em enxergar riscos ocultos. Um levantamento (de baixa confiança) diz que espanhóis ganharam 3-5kg até agora. Qual o impacto disso na sociedade? O que a gente JÁ SABE é que a IMENSA MAIORIA dos que ganharam peso NÃO perderá quase NADA dele.

Viveremos em um novo mundo onde as pessoas passarão álcool em seus frappuccinos com 84g de açúcar (pode checar!), gastarão menos energia abrindo as portas (automatizarão o abre e fecha de parte delas). E deixarão de ir aos treinos das assessorias porque -sabe como é, né? – … Porém, se a pessoa PRECISA treinar em grupo a gente SABE que ela NÃO treinará sozinha. E essa pessoa não terá coragem de dividir aparelhos, já que foi isso que a tirou da assessoria.

As pessoas farão menos exercício, serão mais higienistas (o que é a gente SABE que é ruim) e ficarão em casa mais, com mais gordura e menos vitamina D, sendo que ambos têm forte correlação com imunidade mais baixa.

Teremos uma sociedade mais fraca, mais gorda, mais pálida, mais vulnerável, menos ativa, menos móbil, mais MOLE, mais FRÁGIL. O pior (talvez não em números senão em comportamento!) ainda está por vir porque ele será oculto. E esse estrago a imprensa não fará boletins diários nem gráficos bonitos.

 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

Jejum e Imunidade (COVID19)

Não faça jejum na quarentena, pois diminui sua imunidade!”

É o que os Nutricionistas e Médicos IPI mais têm dito em tempos de Coronavírus. Eu tenho feito jejum diário desde o dia 1 por dois motivos:

1. É mais fácil manter uma dieta limitando o número de refeições. Então acordo, tomo meu café preto com creme de leite e janto (antes vendo o Babu da Massa e agora vendo Designated Survivor s01).

2. Porque se Nutricionistas e Médicos dizem que jejum é ruim em quarentena, é porque deve ser bom. O histórico está do meu lado. Nunca acertaram na norma, não iam acertar na exceção.

Vejamos o que nos mostram as evidências? O jejum faz aumentar a atividade do nosso sistema imune. Surreal, não?!

Quer dizer, então, que se eu jejuar 60 horas como no gráfico posso me alistar na Mansão do professor Xavier? Não, NÃO é esse o ponto! Veja que de 0 a 17 horas há certo equilíbrio na atividade e que depois AUMENTA… O oposto do que nos dizem! O jejum NÃO te transforma no Wolverine, mas você não ficará mais vulnerável como te dizem.

Mais uma vez eles estavam errados. Esses caras são imunes a estar certos…

Existem 2 tipos de dieta pró-imunidade: a picareta e a ignorante.

Obviamente que com o mundo sintonizado em uma doença transmissível não demoraria a surgirem os abutres de sempre, aquele com atalhos para “vacinas” milagrosas. Basta comer X que você estará mais imune, ou basta você tomar determinados suplementos, como faz até um ex-professor meu que por curio$idade também é vendedor. É um padrão claro que fica entre o mau caratismo, a picaretagem e a ignorância.

NÃO EXISTE DIETA/ALIMENTO PRÓ IMUNIDADE

De novo: NADA na Nutrição deveria ser visto que NÃO fosse aos olhos da frequência. Por quê?

Vamos a um exemplo básico, simples. ÁGUA melhora a imunidade? Depende. NÃO beber água (em qualquer forma, mesmo a natural nos alimentos) pode matar mais rápido do que não consumir NADA de calorias/alimentos. Eu argumentar que beber água AUMENTA a imunidade abre a possibilidade de que se eu beber 1 litro por hora isso me transformaria no Wolverine. Só que a gente sabe que é mais rápido matar alguém por EXCESSO de água do que por FALTA dela!

Essas receitas envolvendo limão, cúrcuma e não-sei-lá-mais-o-quê são a demonstração mais clara de IGNORÂNCIA de como funciona nosso organismo. Sabe aquele ditado que diz que a dose faz o veneno? Pois bem, MUITOS dos micronutrientes são bem-vindos justamente porque AGRIDEM nosso organismo nos fazendo mais fortes. É o MESMO funcionamento da atividade física regular, por exemplo!

Quando tomamos um suco verde ou um smooth com meio alqueire de folhas e legumes estamos expondo nosso organismo a uma MEGA-dose NÃO-normal de micronutrientes. O paralelo é dar uma balde de água a alguém. Ou seja, pode dar MUITO ruim.

TODA espécie tem uma dieta típica envolvendo um grupo de alimentos. A nossa imunidade é a normal, a típica, quando BOA PARTE de nossas calorias provem desse grupo de alimentos. “Cada um é cada um”… IMENSA bobagem! Me traga UM ser humano que viva à base de grama e de comigo-ninguém-pode. Esse indivíduo não existe porque nós humanos compartilhamos de uma dieta onívora! É a RETIRADA de alimentos NÃO normais à espécie que nos torna mais imunes. Lembrando SEMPRE que MESMO a “sujeira” em baixa escala é bem-vinda. E ela pode ser INCLUSIVE na forma de vitaminas, desde que em escala normal!

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

6a Feira Santa, Carne e não-linearidade.

Não sei o quão religioso são vocês ou em quem creem. Não me importa. Minha fé me importa a mim. Rezaria por você independente da sua. Acho que sabem da tradição de muitos de não comer carne no dia de hoje. Eu sigo e a respeito. É o esforço de se fazer jejum de apenas um alimento simbolizando e relembrando o derramamento de sangue por Aquele que fez muito por todos nós.

Em 2019 falhei com uma intenção que tinha que era a de ser vegetariano por uma ou 2 semanas. Espero em 2020 não vacilar.

O Esporte entende como poucas áreas o conceito da NÃO-linearidade. Qualquer um que já Treinou algo sabe que o melhor treinamento oferece cargas diferentes ao longo do tempo. Exagera às vezes, alivia outras horas. Não existe uma carga de, por exemplo, 17 abdominais e 5,3km de treino por dia. O que existe é você às vezes correr 15km, às vezes 3km. O resultado disso é COMPLETAMENTE distinto de correr 9km 2 dias (15+3… 18/2).

Já a Nutrição, incompetente naquilo que prega por NÃO entender NADA de não-linearidade, INSISTE em dizer que deveríamos comer diariamente 2.000cal por dia, 1 castanha (pra não exagerar no selênio), um palmo de carne, cumprir com as cotas vitamínicas. É como um treinador achar que temos que fazer TODOS os exercícios existentes TODOS os dias, mas em pequena dose.

O Esporte nos fez correr 100m abaixo de 10seg, a Nutrição nos fez obesos e doentes como nunca.

ADORARIA escrever isso comendo salsicha (adoro!) enrolada em barrigada. Mas acho que o jejum sazonal de carne não só cumpre com minha fé como é melhor à minha saúde. Assim como NÃO correr NADA por duas semanas por ano é MUITO BOM ao meu corpo e desempenho.

Os carnívoros modernos são apenas o extremo oposto dos militantes veganos. Sofrem da mesma doença porque fingem não saber que supermercado 24h e porcos de 100kg nunca foram a norma. Comer carne é delicioso, mas NADA, absolutamente NADA na Nutrição pode ser visto que não seja aos olhos da frequência. E isso a Nutrição ainda não entendeu, por isso ela é um FRACASSO. Só sendo acadêmico pra defender…

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

Nutrição e Coronavírus e… PROMOÇÃO!

Enquanto o mundo está sintonizado no mesmo assunto, era esperado os mal intencionados e os mais ignorantes. Todo mundo parece querer lucrar com o pânico e o medo. Desde soro da imunidade até o professor-USPiano-vendedor-de-suplemento que fala o que o mantém imune (desde que compre em sua loja, claro!).

Tudo é novo. Mas alguns conceitos são bem antigos e bem compreendidos. Uma delas é que atividade física melhora a imunidade ainda que no agudo, no curto prazo, cargas mal calculadas podem ser imunossupressoras. O que é muito diferente de dizer que esporte o exponha a mais riscos. Como bem disse meu amigo Ivan Razeira, a RETIRADA abrupta de atividade física estressa o corpo expondo o organismo a mais estresse. Isso é MUITO bem compreendido na literatura.

Dizer “tome esse suplemento porque aumenta sua imunidade” é canalhice. Quem diz isso tem que embarcar com a família para a Lombardia e fazer live andando na rua provando seu ponto.

O período de quarentena nos expõe a situações NÃO-normais ao ser humano. Lembrem-se: até a presidiários de delitos gravíssimos é concedido o direito ao banho do sol porque sabemos do custo da FALTA dele à saúde. E aqui entra a VIA NEGATIVA.

Seu conceito é de que é pela retirada de um agente estressor que melhor promove a nossa saúde. Não vou tocar no assunto “sair para caminhadas” porque isso parece ofender os mais perturbados nessa situação. Mas em casa você precisa ter o controle da alimentação. O que tenho dito aos meus clientes é: tenha ao menos diariamente ao menos UMA refeição completamente, 100% limpa. Ou seja, com Comida de Verdade. Sem farinhas, sem industrializados, sem grãos, sem óleos vegetais, sem açúcar.

Esse é um modo que ajuda a manter o peso com pouco movimento e com acesso fácil à comida. “Como ficar longe de cerveja?” No momento que escrevo eu não tenho nenhuma cerveja em casa. Acesso É “tudo”! Perguntaram ainda se podia dar pão ao cão porque ele gosta. O cachorro só come pão se você der, você só toma cerveja se tiver! Eu acredito muito que NÃO devemos neste momento ter comida ruim estocada em casa.

O politicamente correto impede que se admita o ÓBVIO, que ter sobrepeso ou ser obeso AUMENTA a letalidade desta doença. Disfarçam dizendo “diabetes”, ”hipertensão”… mas não querem por pura patrulha dizer com todas as letras: OBESOS e quem tem sobrepeso morre MAIS dessa doença.

Oferecer pílulas e suplementos prometendo imunidade é mais do que canalhice. É ignorância porque desconhece que a via negativa (tirando alimentos ruins da dieta) ajuda na manutenção ou perda de peso. Não é sobre o que comer, mas sobre o que NÃO comer.
OFERTA!!!

A você que chegou até aqui e que gosta ou compartilha de nossas ideias, separamos uma promoção especial! Pelas próximas 24 horas você consegue adquirir o e-book O Nutricionista Clandestino com 40% de desconto! Isso mesmo! Para isso você PRECISA clicar neste link aqui! Mas lembre-se, apenas pelas próximas horas de voltar ao preço original!

Ah o Trigo…

A Nutrição sabe muito bem como manipular a multidão.” (*um trocadilho com uma frase do filme Gladiador de onde tirei a imagem).

Já reparou que o símbolo da Nutrição traz o TRIGO, um alimento NÃO-natural à espécie?? SURREAL, não?! Hoje me mandaram o cartaz de um curso de Nutrição Esportiva que contém aveia e bolacha de água e sal na imagem. É mole?! Teria MEDO de entrar num curso assim!

SEMPRE que se fala que deveríamos evitar o trigo por ser um alimento NÃO-natural à espécie e conter glúten, um elemento pró-inflamatório, o argumento é sempre o mesmo: comemos trigo há muito.

Isso NÃO é verdade! A Revolução Agrícola é, em escala evolutiva, MUITO recente. Dizer que comer trigo por 5 mil anos o faz natural, nos faz adaptado, abre a possibilidade de que no futuro chocolate poderia entrar diariamente na dieta. Isso é verdade? É óbvio que não.

O trigo como o conhecemos e consumimos tem MEIO século de vida. Fritz HABER foi o químico alemão que desenvolveu trabalhos para a produção de fertilizantes químicos MUITAS vezes mais eficientes que o até então natural esterco. Seu trabalho na área o levou ao Nobel de Química (1918).

Na metade do século passado os pés de trigo anabolizados pelos novos fertilizantes desenvolvidos ficavam TÃO cheios de grãos que TOMBAVAM carregados. Era preciso mudar isso! Entra então Norman BORLAUG.

Este agrônomo em 1944 passa a desenvolver um NOVO trigo, o trigo anão! Estava assim resolvido o problema! Uma versão que NÃO tombava e resistia à adubação intensa, intensiva! Nos anos 60 praticamente TODOS passaram a usar o novo trigo. Isso deu a Borlaug o Nobel da Paz (1970).

NÃO, o trigo de Jesus na Santa Ceia NÃO é o trigo que comemos, o atual é MUITO mais inflamatório, é SEIS vezes mais produtivo e MUITO mais viciante.

Você acha MESMO seguro e adequado comer algo TÃO novo, recente e NÃO natural?

p.s.: o que trago aqui NÃO foi tirado do livro “Barriga de Trigo”, mas ele explica como ninguém as diferenças entre o trigo atual e o trigo que a Nutrição ainda acredita que você come…

A Nutrição Esportiva é míope

Dos maiores males da sociedade é a busca por conforto. Modernidade, progresso e tecnologia tornaram tangível conforto entorpecente a preço módico. Era de se esperar que um dos males do corredor moderno fosse a busca por conforto. As perguntas mais recorrentes são sobre o que tomar durante e após treinos. Corredores querem nadar sem se molhar, correr sem se cansar.

Que os bons nutricionistas (vários!) me perdoem, mas buscar nutricionista esportivo é um fracasso em seu fim, só faz sentido a quem estiver acima do peso. Isso porque lhes faltam um entendimento BÁSICO, MÍNIMO, ELEMENTAR de treinamento. O papo é sempre o mesmo: pré treino, suplemento durante e pós-treino. Isso é um ATESTADO de que não compreenderam absolutamente NADA do esporte. Sabe por quê?

Porque a busca pelo conforto é CONTRAPRODUCENTE. Vai na CONTRAMÃO do esporte. À medida que treinamos mais, nosso condicionamento aumenta porque é ISTO que queremos. A meta NÃO é bem-estar ou conforto, mas desempenho, o fim maior. Porém, fadiga/cansaço/desconforto TAMBÉM aumenta nesses períodos de treino intenso. Digo mais: eles PRECISAM aumentar. No Esporte DESCONHECEMOS atletas que ganharam desempenho SEM desconforto.

Após um período de treino, de grande desconforto, você NÃO vê muito progresso, melhoria. E É ISTO que Nutricionistas não são capazes de enxergar porque não ENTENDEM do esporte! Sabe por que progresso não vem DURANTE o treino? Justamente porque só quando as cargas de treinamento são REDUZIDAS (polimento!) e a fadiga DESAPARECE que um melhor condicionamento aparece.

É ao REDUZIRMOS a fadiga (e não evitá-la!) que VIVENCIAMOS ganho de desempenho. É NESTE momento que estamos fisicamente melhor.

Como disse Steve Magnessestar desconfortável é um sinal de que estamos em uma condição pra crescer. Adaptação e desenvolvimento NÃO acontecem quando estamos em conforto, mas sim quando estamos ultrapassando nossos limites.

E o que quer um nutricionista com seus lanchinhos? Que evitemos um estado SINE QUA NON para ganho de desempenho. NÃO TEM COMO DAR CERTO!

Aos meus orientados sou sucinto: NÃO vá ao Nutricionista. A menos que você não queira melhorar. Ou a menos que esteja bem acima do peso.

O Sal não é um vilão… É um marcador!

Dias atrás postei aqui sobre não termos medo do SAL… Você pode salgar sua comida o quanto quiser, isso porque:

1. Você tem o sabor como medidor dizendo a hora de parar;
2. Porque um organismo saudável sabe lidar muito bem com seu excesso.

E sabemos que um corpo NÃO SABE lidar bem com sua restrição. É mais fácil matar alguém NÃO dando chance de ela ter sal do que salgando sua comida.

Em um dos comentários sobre meu post sobre sal apareceu mais um inteligentizinho querendo dar aula. Querendo que eu desse referências. Eu não dou! Não de graça!

O consumo de sal ao longo da história vem CAINDO e a incidência de hipertensão vem SUBINDO. O que você deduz? Que o sal NÃO pode “per se” causar hipertensão. O que dizem as diretrizes? Exatamente o OPOSTO. É ou não caso de internação?

O sal é um estabilizante para comidas processadas e ultraprocessadas. Ele é um MARCADOR de que o que você come NÃO é Comida de Verdade.

A imagem que vai acima é uma piada retirada do Twitter. Mas um comediante que não sabe diferenciar um abacate de um salame sabe o básico, que comida lixo leva um monte de LIXO e Sal.

E o que dizem médicos e nutricionistas? Que o problema não é comer um CD e uma camiseta, mas comer sal.

Não é pra internar?!?

A humanização de nossos cachorros.

Acredito que nosso maior desafio individual é como aprender a viver em escassez em um mundo de abundância. Quem é o vilão da humanidade? O açúcar? O óleo vegetal? Não acredito que seja exatamente isso. O que irá nos salvar? Meia hora de caminhada? Jejum de 12 horas?

Dieta Low-carb, dieta Paleolítica, Atividade Física regular e Jejum servem para mimetizar um ambiente que moldou nossos organismos por milhões de anos. O que a ortodoxia da Saúde não consegue compreender é que suas diretrizes serão SEMPRE ineficientes se não enfrentarmos DE FRENTE o conforto! E o que eles nos pedem? Que nos entupamos de amido e comamos a cada 3 horas. É um delírio coletivo de especialistas. São os “intelectuais, porém idiotas”, abundantes como professores nas faculdades de Saúde. Não entendem as causas, nos dão soluções esdrúxulas, contraproducentes.

Dia desses saía na rua e vi um casal trazendo consigo 2 bulldogues franceses, a raça da moda. Ambos carregavam seus animais no colo! Uma visita à qualquer loja de animais (as pet shops) e você se vê apresentado a rações veganas, biscoitos com farinha, panetones e bolos para cães. As pessoas se recusam a dar carne (mais barata que qualquer desses lanchinhos!) a um animal que, dada a opção, é carnívoro!

Nossos cães NUNCA estiveram tão obesos porque passamos a alimentá-los com as mesmas coisas que nos engordou (o amido da ração e o açúcar que vai nos aperitivos). Carregamos eles no colo achando que ajudamos, mas que os adoece, assim como as diretrizes nutricionais.

Quando escrevi o livro O Veterinário Clandestino caí em um mundo que literalmente me assombrou. Me incomodava. Os donos (ou tutores) agora humanizam seus cães. O resultado? Obesos e doentes. Quando falo que dou carne sem picotar as pessoas se espantam! Sugerir carne dessa maneira no livro é um dos modos que encontrei para mimetizar a realidade canina e promover saúde. Quando você o carrega e coloca sapatinhos você gera conforto, o adoece. E ninguém faz isso melhor do que nós e nossas diretrizes oficiais!

É assim com humanos, é assim com os cães!

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Veterinário Clandestino! Se preferir a versão impressa, compre aqui!

Sobre Dieta Low-carb em corredor amador

*texto originalmente publicado no Blog Recorrido.
É MUITO comum corredores me perguntarem: se a elite não faz low-carb por que um amador deveria fazer?
Ou ainda, dessa vez é a leitura míope de nutricionistas: a elite, para correr rápido, consome muito carboidrato, então você amador também deveria consumir.
Ambos raciocínios estão errados, ainda que façam algum sentido (do amador se perdoa o equívoco, de nutricionistas não! Mas como não sabem nada de esporte, é de certa forma compreensível). Cada esporte deveria ser visto em função de suas demandas que nem sempre são aquilo que nos aparece em um olhar mais apressado.
As pessoas acham que os jogadores de basquete são altos. São mais do que altos! Eles têm é uma ENVERGADURA enorme. O corredor de longa distância, quanto mais longa a especialidade, MENOR deve ser seu peso.
Não temos que olhar o esporte SOMENTE pelo que fazem a elite porque isso por si só NÃO explica serem fora da curva.
É legal ver que o baixinho gosta de jogar de basquete ou o cara lento insiste em correr provas de 800m. O filme da Disney e de Hollywood gostam de dizer que “tudo é possível“. Você até PODE escolher o seu esporte, mas é o ESPORTE quem escolhe quem fará sucesso nele. E na corrida ele escolhe pessoas rápidas E leves! Isso por uma questão mecânica!
E a elite do atletismo, igual o defensor da NBA tem envergadura MAIOR que a altura, acaba tendo enorme tolerância ao carboidrato. Tolerância essa que permita que ele se ENTUPA de carboidrato sem efeitos adversos (ganho de peso, hipertensão, resistência à insulina). Desses efeitos o peso é o que MAIS nos interessa (amadores). E sabemos que uma dieta de baixo carboidrato é a de mais fácil manutenção de um baixo peso.
SIM, uma dieta rica em carboidrato na elite permite maior POTÊNCIA aeróbia, capacidade determinante em provas de 5km e 10km. Então nada melhor do que eles comerem muito já que são tolerantes.
O amador não! Come muito, tem poucos benefícios com a potência aeróbia em provas de 10km em diante, engorda, fica lento… Ficou mais claro?
É sempre MUITO pertinente olhar o que faz a elite. Mas SEMPRE que o fizer saiba que aquilo ali não explica tudo afinal eles foram ESCOLHIDOS pelo esporte deles. Você não. Com você as regras podem ser diferentes.