Arquivo da categoria: Gorduras

A Nutrição e a Via Negativa.

Ou ainda: fuja de quem te diga o que comer.
Ou ainda (2): é sobre comer menos carboidrato, não sobre comer mais gordura.

Quando você trabalha com emagrecimento a pergunta mais comum talvez seja: “o que faço pra emagrecer?”. O filósofo Homer Simpson, no alto de sua sabedoria socrática teria dito: “não fique gordo”. Tamanha obviedade não pode ser ignorada quando sabemos ser tão difícil emagrecer.

Praticamente todo estudo baseado em greve de médicos encontra o mesmo desfecho: o cancelamento do atendimento aos procedimentos simples reduz o número de mortes em hospitais. Afaste os cardiologistas e haverá menos intervenções/cirurgias e assim menos mortes. Corroborando a forte, porém correta tese do especialista em Risco Nassim Taleb: você na média diminui a sua expectativa de vida quanto mais visita um médico.

Por isso também que a minha resposta para como emagrecer se baseia sempre no que NÃO podemos fazer caso queiramos perder peso. Eu me baseio na VIA NEGATIVA porque ao menos na saúde é nela que toda a nutrição deveria se basear.

Via Negativa é sobre a eficácia da subtração sobre a adição, é sobre menos ser mais. Na prática é uma receita para o que se evitar, sobre o que NÃO fazer/comer. Isso porque sabemos o que está errado com muito mais certeza do que qualquer outra coisa. Ou ainda, usando outro conceito muito importante, o de que o conhecimento é subtrativo, não aditivo. É sobre o que nós rejeitamos, aquilo que não funciona, o que NÃO devemos fazer. Ideia diametralmente oposta à adição, que se faz hoje na Nutrição, sobre o que acrescentar ou o que deveríamos fazer.

Uma prática que tenho certa dificuldade de explicar aos meus clientes é o fato de eu NÃO prescrever nunca um cardápio. (*nunca fiz um na minha vida que não tenha sido em sala de aula na graduação e pretendo seguir nunca fazendo). Seguindo o desenrolar lógico desse corolário, Taleb diz que a melhor maneira de se achar um charlatão é olhar entre aqueles que te aconselham o que deve ser feito em vez de aconselhar o que NÃO deve ser feito. Traduzindo à Nutrição: o charlatão dirá “Coma uma fatia de pão integral com queijo cottage” quando o correto seria “NÃO coma amido (ex: pão integral)” porque ele sabidamente engorda.

Basicamente a via negativa escolhe o que não se é e trabalha com processos de eliminação (aqui, ao NÃO comer arroz, quinoa ou arroz integral, aumenta-se a chance de essa pessoa comer carne ou ovos, alimentos não-engordativos e muito mais ricos nutricionalmente). Na área da saúde ela funciona pela remoção do artificial. Por isso mesmo que intervenção só vale à pena quando o retorno for muito grande (por exemplo: salvar a vida de um cliente doente) porque nesses casos você supera um sempre possível risco de dano potencial. *e aqui explica-se as mortes quando os médicos estão longe dos hospitais. A pessoa que NÃO está em estado grave morre por uma intervenção equivocada (erro médico, uma das 3 maiores causas de mortes no Brasil e nos EUA), como eles estão em greve, não podem matar aqueles que seriam salvos pela mãe natureza.

Porém, é na via POSITIVA que toda a área da Saúde faz o seu lucro, o seu dinheiro, a sua renda. Tem mais. Além de menos eficiente e mais perigosa, a Via Positiva vive de ter a propensão a querer sempre fazer algo (até porque o seu cliente quer e paga para que você intervenha), gerando problemas e dilemas (meus clientes querem cardápio, me pagam e eu não os dou). E mais perigosa porque a via positiva quase sempre recai naquilo que não é natural, aumentando a chance de eventos inesperados e de efeitos colaterais não-observados. A margarina e o comer de 3 em 3 horas talvez sejam os melhores exemplos na história da Nutrição. Dê tempo suficiente e a soja e o óleo de canola entrarão nesse clube. Não acredite em profissional que diz que esses 2 “alimentos” são bons. Isso porque o antinatural precisa provar seus benefícios, porém, em sistemas complexos somente o tempo (muito tempo) pode vir a ser uma evidência de segurança. Seu nutricionista já estará morto e mesmo que vivo, não poderá ser processado.*fique com a manteiga, banha e azeite.

O QUE FAZER?

O maior avanço da história recente da Medicina talvez tenha sido a orientação de não fumar (via negativa). Isso porque não há remédio (via positiva) capaz de compensar o hábito de fumar. As associações de Nutrição sabem dessa lógica, mas elas precisam, gostam de dinheiro. Não espere que essas associações peçam para que você pare de comer açúcar, como um médico pede que você não fume. Não há remédio (ou atividade física) no mundo capaz de compensar os malefícios do açúcar, mas sem remédios nem pedir que você consuma óleo de canola, as associações não ganham seu dinheiro (na forma de patrocínios das empresas farmacêuticas e das de alimento que TODAS elas possuem).

A associação dirá que tudo bem comer um pouco de açúcar (igual o nutricionista dirá que óleo de canola é um óleo bom). Isso porque o remédio “para o” açúcar banca financeiramente todas as associações que você conhece e ainda porque a prova de dano daquilo que não é natural, que é artificial (óleo de canola) está no futuro, e não em um passado que sequer existe.

Um Nutricionista não deveria JAMAIS dizer o que você deveria comer caso você queira perder peso, mas sim aquilo que você NÃO deveria comer porque sabemos já o que nos faz engordar (alimentos que contenham substancialmente ou sejam ricos em açúcar, amido ou carboidratos processados e refinados). Assim, é basicamente sobre o que não comer (Via Negativa) e não sobre o que comer (Via Positiva).

Resumo prático:

  1. Via Negativa: Não comer carboidrato. Emagrece.
  2. Via Positiva: Comer mais gordura. NÃO necessariamente emagrece.

O “2” só funciona se acontecer o “1” antes!

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (você encontra a versão impressa aqui)

Anúncios

Nutrição não é sobre equilíbrio.

Ou ainda:
NUM MUNDO DE EXTREMOS, FUJA DO NUTRICIONISTA QUE SUGERE “DIETA BALANCEADA”

Poucas coisas dizem mais da ignorância (ou inutilidade) de um nutricionista que seu discurso de “equilíbrio na dieta” ou ainda o “uma dieta deve ser balanceada”. Primeiro porque isso não existe, não sabemos ainda exatamente o que o ser humano necessita em termos de nutrientes. Não há como balancear aquilo que não se sabe. O que dizer então de calcular isso individualmente? E segundo porque nada é pior ao organismo do que o equilíbrio.

Para entendermos vamos ter que antes atropelar um pouco a ignorância técnica ou conceitual dos profissionais que alegam que o jejum seria nocivo e/ou perigoso. Temos assim que partir da premissa de que o ser humano é onívoro. Esta nossa particularidade, esta capacidade intrínseca de nos alimentarmos de tudo, tanto de vegetais como de animais, é resultado primeiramente e necessariamente de uma resposta às características dos mais variados ambientes. Esses ambientes, antes da invenção dos supermercados 24 horas, nos ofereciam, nos disponibilizavam alimentos de forma não planejada, casual. Ou seja, em série, porém, NÃO-linear.

Aqui vale saber ainda que a especialização é uma resposta a um ambiente, a um habitat muito estável, com poucas mudanças bruscas. Veja animais como os ursos pandas, com um tipo de alimento bem mais definido, por exemplo. Já a diversificação da alimentação nos onívoros decorre, tem que vir, como resposta à variedade.

Isto por si só mostraria ser ainda mais fundamental, quando falamos de melhor saúde, de remover aleatoriamente (voluntariamente) algumas refeições, replicando o que ocorria antes do advento do delivery 24h, quebrando a estabilidade da oferta e consumo de alimentos. E aqui um contrassenso na ortodoxia da Nutrição: eles condenam o jejum, pregam o nonsense das 6 refeições por dia (ou a cada 3 horas), mas sua ignorância é incapaz de enxergar que até nisso há uma espécie de irregularidade, mas que nem de longe mimetiza a irregularidade e a aleatoriedade da natureza.

E vamos entender o porquê agora.

Herbívoros são submetidos a muito menos aleatoriedade do que os animais estritamente carnívoros que devem caçar seu alimento (que vive a fugir, diferente dos arbustos que não fogem das girafas). Enquanto o herbívoro passa o dia comendo de forma uniforme, o carnívoro tem picos de acesso ao alimento (por sorte, acaso ou por competência). O cavalo tem acesso baixo e constante de carboidratos, o leopardo tem picos grandes de proteína e gordura.

Aqui temos a primeira diferença do que prega a Nutrição tradicional: pratos balanceados em macronutrientes não existem em outro lugar que não seja no delírio da cabeça desse nutricionista. Esse nutricionista acha que o mundo real é como sua teoria sem embasamento. Nós, pessoas normais, sabemos que a realidade é completamente diferente do que ele sonha. Um lobo (ou caso você prefira um chimpanzé, o animal biologicamente mais próximo a nós, proximidade maior que a dele com o gorila) não sai a caçar e depois recolher folhas, alguns legumes, um pouco de água e frutas de baixo açúcar de sobremesa. Não! Na natureza a alimentação é sempre de extremos.

*aqui talvez valha dizer que a medicina chinesa, que bem pouco conheço, prega que deve haver foco maior em um grupo de alimentos (macronutrientes) por refeição, o que faz todo sentido.

Pois agora, então, temos que nossas proteínas (e gordura) devem ser consumidas aleatoriamente no tempo. Por sua vez, o nutricionista prega que deve haver equilíbrio (nada mais errado), horários marcados, porcionados, porque não consegue compreender que este equilíbrio NÃO é preciso que seja em todas as refeições ou mesmo todos os dias, mas alcançado de forma gradual, em prazos muito maiores. Isso porque alcançar equilíbrio desta forma frequente, em todos os dias e todas refeições, é muito diferente do que alcançá-la em prazos mais longos (na verdade, veremos, é pior).

E para explicar isso, é necessário introduzir um matemático amador que nunca sequer ocupou qualquer posição acadêmica. O dinamarquês Johan Ludwig Jensen em 1906 provou um teorema que ganhou nome em sua homenagem. Na “Desigualdade de Jensen”, quando ela for aplicável, a irregularidade pode tornar-se a melhor solução. Isso porque ela se fundamenta no fato das consequências de a média serem muito diferentes da irregularidade.

Vale citar um exemplo prático: quando atravessamos a pé um rio não basta sabermos apenas a profundidade média deste rio. Há muita coisa mais importante que a média, que oferece resultados bem diferentes. A Desigualdade de Jensen estabelece que há uma relação NÃO-linear entre uma causa e efeito. É mais ou menos assim: se uma causa X gera efeito Y e uma causa A gera efeito B. Essa propriedade estabelece que o efeito resultante da causa de magnitude (X+A)/2 é diferente dos efeitos já observados, isto é, (Y+B)/2. É bem diferente você nadar em uma piscina a 28 graus, a nadar um dia a 0C, em outro a 56C. São efeitos diferentes, ainda que 56/2 seja 28!

Temos certa facilidade para aceitar essa ideia de não-linearidade quando falamos em Química, ou mesmo treinamento físico, mas a Nutrição simplesmente ignora sua validade em suas diretrizes. Ou seja, com ela temos que há uma enorme e considerável diferença entre consumir uma dieta (argh!) balanceada de uma em série, de forma aleatória. Somos onívoros, adaptados à variação, mas ela NÃO significa ser na mesma refeição.

******

Em organismos vivos a privação é antes de tudo um agente estressor, e o estresse é fundamental em nossa adaptação quando oferecido depois um tempo de recuperação. Pense nisso colocando a atividade física como estressor. Não deixa de ser surreal que um nutricionista que diga para você comer a cada 3 horas um prato variado, apoie também que você faça exercício. O princípio estressor da fome, da ausência de alimentos (ou de um macronutriente), é o mesmo da atividade física!

O que a Desigualdade de Jensen vai estabelecer na Nutrição é que consumir proteína de modo estável 3 (ou 4 ou 6) vezes ao dia NÃO é o mesmo que consumir pontualmente. Isso porque nossas reações metabólicas não são jamais lineares. Basicamente, podemos dizer que se um organismo é antifrágil a uma determinada substância (o somos à proteína!), é melhor fazer com que ela seja distribuída aleatoriamente, em vez de ser fornecida de modo constante.

**já escrevi um texto falando que somos frágeis, isto é, o oposto a antifrágil, ao carboidrato.

Acredito que todo mundo com um pouco de interesse em nutrição já ouviu falar da Dieta Mediterrânea, que, além de ser um espantalho, um Frankstein, contém mais equívocos de interpretação (uma vez que ela na prática simplesmente NÃO existe e que na região os melhores benefícios foram encontrados entre aqueles que consumiam mais carne vermelha, mas a turma do low-fat vive escondendo e ignorando esse fato) que acertos. Um dos equívocos, um erro seletivo proposital de quem molda seu discurso com a liberdade artística como se fosse um poema, é o de ignorar que os analisados faziam jejum. Para ser mais preciso, a igreja ortodoxa grega defende quase 200 dias de jejum por ano, um período de 40 dias sem quase nenhum produto de origem animal, nem açúcar ou azeite. Quem diz gostar da Dieta Mediterrânea faz qualquer coisa próximo a isso? Improvável. Assim você nega boa parte, senão a maior parte de seu benéfico conteúdo. Como é difícil, ficamos apenas com a parte de besuntar a comida em azeite, um alimento que, ao contrário do estresse, não tem nada de essencial.

*****

Os profissionais da saúde têm em suas diretrizes uma enorme dificuldade em lidar com a escassez em um mundo de excessos. Negam o jejum, subestimam e negam seus benefícios recomendando um bom café da manhã, algo sem evidência sólida. Não fomos “criados” ganhando alimentos sem gasto de energia. Na natureza não existe caça por prazer, mas por necessidade.

Mas antes que se apele às agruras de miseráveis e prisioneiros de guerra como contraponto ao jejum, talvez surpreenda saber que os prisioneiros dos campos de concentração ficavam menos doentes na primeira fase de restrição calórica para só então adoecerem. Reforçando: jejum é sobre retomar a não-linearidade ainda que de forma limitada, no consumo de alimentos, respeitando nossas propriedades biológicas mais fundamentais.

*****

Somos instruídos pelas diretrizes governamentais a ingerir determinadas quantidades de nutrientes diariamente em determinadas quantidades. Vamos por agora ignorar completamente a enorme falta de rigor empírico nesses valores determinados. A busca por essa regularidade vai de encontro à aleatoriedade de oferta proteica e de gordura animal à que fomos “construídos” (Desigualdade de Jensen) e fere ainda o princípio de extremos nas refeições (ou herbívoro ou carnívoro). As diretrizes em sua ignorância (por acharem que não existe aquilo que elas não veem) não entendem que a constância gera resultados muito diferentes (e piores) que a desigualdade ou a aleatoriedade.

Ao negarmos ausência de algumas refeições ou nutrientes, negamos a hormese. Hormese é sobre quando uma baixa dose de uma substância nociva ser de fato benéfica ao organismo quando em baixa quantidade. É quando o organismo se beneficia dos pequenos danos diretos a si mesmo. Não sendo em quantidade muito elevada, ela age assim para beneficiar o organismo e torná-lo melhor de maneira geral. Ou como diz Nassim Talebas máquinas são prejudicadas por agentes estressores de baixo impacto (fadiga do material), os organismos são prejudicados pela AUSÊNCIA de agentes estressores de baixo impacto (hormese).

Ou seja, podemos resumir dizendo que comer regularmente e de forma (argh!) balanceada é ruim e priva o nosso organismo desse agente estressor, podendo fazer vivermos menos que nosso real potencial completo. Basta lembrarmos que é mais do que provável não ser mera coincidência que a população americana nos últimos 40 anos dobrou seu número de refeições diárias enquanto engordou e adoeceu.

Dieta Balanceada? Equilíbrio? É tudo o que um Nutricionista jamais deveria pregar. A menos que ele faça alguma ideia daquilo que fala.
 
*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (você encontra a versão impressa aqui)

Por que Low-Carb. Ou ainda: o ser humano é frágil ao Carboidrato

É uma vergonha que a Nutrição não enxergue o que vai abaixo.

*para este texto não ficar ainda mais longo, conto com a compreensão que para lê-lo você de cara assuma uma verdade que hoje é consenso na Nutrição: o Carboidrato é um nutriente NÃO-essencial ao ser humano. Ou seja, você pode viver sem consumir NADA dele. Característica essa que NÃO é compartilhada por proteína ou gordura, ambas essenciais.

Para começar, saiba que o ser humano, o homem, é frágil ao carboidrato. Pergunte isso a qualquer diabético ou a qualquer médico. Alguém é Frágil (a algo) quando “os impactos trazem danos maiores à medida que sua intensidade vai aumentando (até certo nível)”. Isso acontece quando fazemos consumo de cada vez mais carboidrato em duas frentes. Primeiro com o aumento da glicemia (açúcar no sangue) e o organismo tenta controlá-la abrindo mão da insulina e também pela concomitante redução do consumo de 2 nutrientes essenciais na dieta (proteína e gordura).

Duvida? Deixe de tratar um diabético, um indivíduo que não metaboliza bem carboidratos. Ele morre. Deixe de oferecer proteína e/ou gordura a uma pessoa. Ela morre.

Porém, o corpo NÃO é frágil a esses 2 nutrientes. Não existe consumo excessivo de proteína. Não existe. Não existe consumo excessivo de gordura. Simplesmente não existe. Isso porque ad libitum, ou seja, à vontade, esses 2 nutrientes não possuem mecanismos de retroalimentação do tipo supernormal, ou seja, você não fica viciado em carne ou barrigada. Você fica, sim, viciado em alimentos que tenham necessariamente um nutriente que o cause: o açúcar ou carboidrato processado.

Resolvi escrever esse texto porque recebi 2 posts de nutricionistas que até parecem inteligente, mas se fazem de burro para provar seu ponto. Um deles, tempo atrás disse haver uma margem saudável ou ótima de consumo de carboidrato. Isso simplesmente não existe. Precisamos ver o carboidrato (na verdade a frutose e os carboidratos processados, como farinhas e açúcar) como poluentes (o que é diferente de veneno).

Assim como na natureza, você pode ir poluindo um rio (ou uma cidade) e ainda assim utilizá-lo ao lazer ou mesmo fonte de água. Mas há um ponto em que ele morre. Com carboidrato é parecido. Você pode comer pão integral todo dia e ainda assim viver 85 anos. Eu consigo matar alguém dando carboidrato vendido no supermercado, eu NÃO consigo fazer isso com proteína/gordura (que não deve ser coincidência que sejam quase sempre encontradas juntas na natureza). **aqui ignorando fontes podres desses nutrientes como soja ou óleos vegetais, por exemplo.

Há aqui uma questão de não-linearidade na resposta. Ou seja, vou dando cada vez mais gordura/proteína a uma pessoa e não vejo mudanças drásticas. Porém, quando faço isso com carboidrato (frutose ou processado) e após algum momento aumentando seu consumo eu o mato. Isso de certa forma nos reforça: somos frágeis ao carboidrato, não o somos aos demais. PONTO.

Você dar ou oferecer pouco carboidrato a alguém, sem o matar, não tira o prejuízo. E nesta categoria, ainda que em outra magnitude, entra por exemplo, o cigarro. Um nutricionista que diz que “tudo bem” comer um pouco de açúcar equivale ao pneumologista que diz “tudo bem fumar 3 Belmont”. Ambos (nicotina e frutose/glicose) têm seus mecanismos de retroalimentação. Não matam, mas podem criar o ciclo de consumo supernormal que faz seu consumo virar rotina. Se não há consumo mínimo de NADA a que somos frágeis, por que deve haver com carboidrato? ***não pergunte a mim, pergunte ao gênio que pede que você coma grão de bico ou torrada.

A recomendação que já vi algumas vezes de muita gente que se parece inteligente de comer X de carboidrato é, desculpe o termo, tão IDIOTA, tão burra, que não sei como passa despercebido. Não existe consumo seguro de cigarro, assim como NÃO existe consumo seguro de açúcar. Assim como não existe consumo seguro de frutose, a menos que ela venha acompanhada de muita fibra, a ponto de virar um limão ou maracujá.

Mas voltando à recomendação IDIOTA de consumo de X% de carboidrato… ela é tão irracional porque hoje sabemos que podemos viver com ZERO dele. Por outro lado, SABEMOS que PRECISAMOS consumir proteína E gordura e que SABEMOS que quanto mais carboidrato (desacompanhado de muita fibra) pior é o desfecho à saúde, pois como existiria assim um valor médio??

Ele existe?
É óbvio que não! Não, ele não existe. É a ignorância de uma área que se orgulha de não estudar matemática que arrisca dizer que ele existe. É como eu pedir que alguém que não sabe nadar pode atravessar andando um rio de profundidade média de 1,60m. Essa pessoa é frágil a rios fundos! Eu tenho que dizer que ele só pode atravessar rios com a menor profundidade possível! Eu TENHO que dizer que ele deve fugir da frutose como foge da nicotina ou de algum outro agente menos viciante, porque não ser veneno (e não é mesmo) não tira sua característica de ser poluente. Ainda que você consiga viver em uma cidade poluída. Uma média de consumo de carboidrato (um desses falsos-inteligentes arrisca até uma porcentagem) não tem sentido porque somos frágeis ao carboidrato! Ainda que eles neguem. E negam porque em sua ignorância confundem incompreensível com inexistente.

****na imagem o consumo em azul de carboidrato vai aumentando até “dar ruim”. O consumo de proteína/gordura (lilás ou roxo, sou homem) por não ser frágil não tem um evento inesperado.

*****Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (você encontra a versão impressa aqui)

Gorduras Boas e pensamento libertador.

No dia a dia eu tenho várias heurísticas, aqueles atalhos mentais que servem para facilitar nossa vida. Quando o assunto é Nutrição tenho várias delas. Por exemplo, se um profissional de saúde diz que Quinoa e Feijão são fontes proteicas, já o coloco na gaveta dos vegetarianos, herbívoros ou dos low-fat, daqueles que morrem de medo de gordura na dieta. Se o profissional diz que quinoa e feijão são é fonte de carboidrato (e são mesmo, basta olhar suas composições), já sei que deve ser de uma linha mais low-carb.

Outra heurística minha diz respeito ao entendimento da pessoa sobre Gorduras. Repare, não deve haver UM veículo ou profissional realmente competente que para citar exemplos de “gorduras boas” não diga nada muito além do “abacate, nozes e azeite” (faça esse exercício no Google, chega a ser divertido a ponto de dar risada tamanha a limitação dos especialistas). Isso se chama bloqueio mental. Por mais que esse profissional tente aprender, se atualizar, quebrar conceitos e ideias equivocadas, ele fica preso a conceitos ultrapassados, arraigados há muito em sua mente.

Um desses conceitos é o de que haja “gorduras boas”. Isso não existe! Na natureza se nos alimentamos naturalmente de um alimento há milhares de gerações, esta gordura é por si só segura, ela não é ruim, o que é diferente de ser boa. Do contrário, se ela é sintética (como a gordura trans ou os óleos vegetais industrializados como o de Canola, de Girassol, de Soja, de Milho, etc.) esta é uma gordura RUIM ou no mínimo NÃO-segura.

Quem defende o contrário tem que fazer um contorcionismo argumentativo que não sobrevive à lógica (ou que nos entrega à ignorância deste profissional no assunto), afinal, abacate e azeite não têm composições lipídicas radicalmente diferentes das da… CARNE.

RECOMENDAR PEIXE É ANTES DE TUDO SER INÚTIL

Gordura boa é gordura segura!

Você dificilmente encontrará nos exemplos de “gorduras boas” a CARNE. E aqui NÃO vale citar PEIXE. Por que não?

O que diferencia um profissional de um leigo é entre outras coisas que aquele consiga oferecer a este algo, uma informação, que o leigo não saiba da área de atuação. Uma vez que não deve haver estudos sobre peixes que tenham desfechos negativos com o consumo desse alimento, ou seja, consumir mais peixe sempre está relacionado a uma melhor saúde, o Nutricionista (ou Médico) vir dizer para comer peixe é tão dispensável ou tão inútil quanto o Educador Físico vir dizer que fazer exercício é bom, ou o Médico vir dizer que fumar faz mal, ou o homem do tempo na TV dizer que a chuva molha. Sem agregar informação, o nutricionista que cita peixe é entre outras coisas um inútil, ele é dispensável.

Útil é o profissional que vem a você e fala: coma carne, sua gordura é segura e não faz mal.

A CARNE PODE SER LIBERTADORA

Escrevi tudo isso porque mesmo perfis de Instagram que soam como esclarecidos (como o Jejum Intermitente, por exemplo) são incapazes de citar a carne como “boa”. Citam o queijo e o azeite, alimentos feitos pelo homem. É um misto que mora entre a ingenuidade e a arrogância tão humana de achar que podemos superar e melhorar a natureza. Limitar as gorduras boas a peixe, abacate, azeite e castanhas é sinal claro de quem desconhece a composição desses alimentos e a da carne. Ou lhes falta discernimento ou entendimento técnico.

Aos nutricionistas que falam essas bobagens (que carne não é uma grande fonte de gordura essencial), fica meu desafio Skin in the Game: eu fico sem comer abacate, azeite e castanhas. Vocês ficam sem a carne. Vejamos quem perde mais.

Fica aqui o recado, se você segue profissionais dispensáveis, que não conseguem saber aquilo que você já sabe (peixe e abacate, uma fruta de baixo açúcar, são saudáveis), e que não conseguem sair do bloqueio mental de que carne também seja fonte segura de gordura uma gordura essencial, talvez seja hora de trocar de profissional, pois este é mais do que dispensável.

*mas se seu médico ou nutricionista recomenda preferência por óleo de Canola, Deus tenha piedade de você

**Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (você encontra a versão impressa aqui)