Arquivo mensal: outubro 2020

Vid4 L0k4, consistência e o vegano que come carne

Fiquei feliz com os resultados do #Desafio21Dias3Dietas. Eu não prometo nada, mas tinha CERTEZA que emagreceriam. Eu e o Léo Moratta aprendemos mais do que esperávamos.

Por exemplo, deixar a Low-carb pro fim nos parecia óbvio, mas expôs MUITA gente a um vício que não controlam nem sabiam possuir. De óbvio passou a equívoco e de erro passou a ser uma lição, pois nada ensina melhor que a experiência. As pessoas puderam SENTIR como alguns alimentos VICIAM e POR ISSO devem ser evitados, não consumidos de forma “moderada”.

Outra lição é sobre a tola ideia do Dia do Lixo. Quem defende isso parece nunca ter lidado com o mundo real. Os resultados espantam! Recebi alguns dados de pessoas que se pesaram metodicamente. As pessoas voltavam 2a feira bem ACIMA do peso e nunca se dão conta!

É até curioso porque a pessoa te fala que fez a Carnívora “direitinho” e “só bebeu cerveja e um pouco de sorvete”. É mais ou menos como eu dizer que sou Vegano e “só” como 800g de costela todo jantar. 96% do tempo vegano! Ou a pessoa que come pão de queijo DIARIAMENTE e me diz que fez Paleo.

Veja bem, não dou a MÍNIMA pro que as pessoas (vocês) comem. Eu não me preocupo nem pro que quem me paga come! Imagina quem não me paga!? Se vocês tomam cerveja na Carnívora? Estou nem aí! Me pagando ou não!

Eu me preocupo SIM é QUANDO a pessoa está fazendo o que eu peço porque DAÍ EU tenho responsabilidade no resultado.

Só que eu SEI o que faço. E sei que é MUITO sem erro!

Mas às pessoas faltam CONSISTÊNCIA e ENTENDIMENTO da importância dela. Veja os gráficos. Em um com dados reais eu SEM olhar os dias EU localizei o final de semana. E depois fiz uma hipotética dupla com Vid4 L0k4 no final de semana e outro que no final de semana tinha um PEQUENO grau de liberdade (um vinho a mais na Carnívora, um Tubérculo na Paleo, uma indulgência na Low-carb).

Veja… veja o que acontece!

De coqueiro-anão, acadêmicos e lanchinhos

Estava dias atrás em Cuiabá. Paramos todos pra jantar em um restaurante em frente a um condomínio de alto padrão. Na calçada do prédio havia mini-coqueiros “trazidos do Uruguai”. (*na verdade coqueiros não são originários do nosso continente)

Qualquer pessoa (inclusive morador) que tentar andar pela própria calçada pelo qual paga um alto IPTU não conseguirá, ele corre o risco de furar o olho. Por quê? Porque o arquiteto ou o paisagista que decidiu por aquilo acha lindo sem precisar usar.

Em casa tínhamos no banheiro uma pia quadrada, linda, caríssima. Eu passava sempre mais tempo empurrando minha baba cheia de espuma pro ralo do que propriamente escovando os dentes.

Meses atrás fui à minha antiga faculdade encontrar um amigo. Por curiosidade enquanto ele não chegava fiquei lendo o mural. Na EEFE-USP estavam recrutando voluntárias na pré-menopausa pra um programa de musculação. Estudei lá de 1998 até 2001. E eles JÁ FAZIAM isso. Como pode se passar 20 anos e eles ainda estarem no MESMO lugar?

Na verdade a gente sabe o motivo!

Na EEFE-USP os professores NUNCA quiseram ajudar as mulheres de 50 anos! O paisagista que escolheu coqueiros anões faz aquilo para impressionar OUTROS paisagistas, não o morador. Assim como o arquiteto que acha uma boa perder tempo com pia quadrada quer é impressionar outros arquitetos, não o morador! O morador quem paga ($$$), mas o cliente final parece ser um terceiro.

CHEGAMOS AO ACADÊMICO QUE PRESCREVE LANCHINHO

Eu e o Léo Moratta chegamos à semana final do nosso #Desafio21Dias3Dietas e duas das coisas que mais ouvimos foram: “é libertador” e “funciona!”

SIM!

O Nutricionista que vem até você e prescreve 6 refeições diárias, lanchinhos e suplementos não faz isso pra VOCÊ, mas faz isso para impressionar a outros! SEMPRE foi assim em TODA a formação dele. Na faculdade tinha que impressionar professores, no mundo acadêmico impressionar seus pares em congressos e teses. Esse cara está POUCO LIGANDO pra você.

Enquanto a Nutrição não olhar o CLIENTE ele não fará uso daquilo que ele paga! A funcionalidade na Nutrição HOJE está em último lugar.

Suplementos? Métodos de treino? Educativos?

“É O PESO, ESTÚPIDO!”

Um levantamento francês encontrou que o peso dos 100 melhores maratonistas do mundo em 2011 é 3,2kg mais baixo que o peso dos top 100 em 1990. Pode parecer pouco, mas como quase a totalidade deles pesa menos de 60kg, estamos falando de 6% a menos de peso.

Nutricionistas IPI, médicos do esporte, corredor amador lento… esses caras parecem bêbados procurando a chave de casa embaixo do poste porque é só lá que o ambiente é iluminado.

Os melhores atletas SABEM o que determina o sucesso em seu esporte. Pareço repetitivo, mas já disse de graça aqui N vezes que na corrida o que importa é: volume de treino, capacidade de dissipar calor e baixo peso.

Quando o nutricionista-burro-IPI vem e diz que “não recomenda jejum no desempenho” ele apenas assina um atestado de ignorância. Primeiro porque os melhores do mundo o fazem há DÉCADAS (e um nutricionista-burro-IPI nunca ensina mais que os melhores).

E segundo porque jejum é um mecanismo de auxílio de BAIXO PESO. Agora volte lá e veja qual é umas das 3 variáveis determinantes de desempenho que listei de graça pra você.

Mas há sempre a opção de estarmos todos muito errados, lógico! Então sempre quando me marcam em publicação em que o nutricionista IPI pede pão francês ou bisnaguinha de pré-treino (ou um dos suplementos que ele tem que vender), me pergunto o que aconteceria se esse sábio estivesse na África, origem de 90 dos 100 melhores maratonistas do mudo… ele faria africanos fazer 42km em 1h35?

O que você acha? Os prós estão errados, mas o seu amigo da assessoria que corre a 4’35”/km está certo?

p.s.: agora na quarentena ajudei um amador em SEMANAS a perder ~14kg (sem fome, sem lanche, sem pré-treino, sem suplemento…). Fez em treino o que NUNCA fez em prova. Qual a conclusão do treinador? “Ah, se consumir mais carboidrato… vai voar…” Pois é! Nem mesmo ele entendeu que a lista que coloquei aqui NÃO fala NADA sobre consumo de carboidrato.

Ah o pré-treino…

A pessoa decidiu começar a correr, vem de um longo sedentarismo, geralmente com sobrepeso, ou seja, com excesso de energia endógena. Ela nem começou a treinar e já saca a pergunta:

“O QUE DEVO COMER ANTES?”

Como é que é?!? Você nem se mexeu e já quer comer? Nem começou a trabalhar e já quer o salário?

O pré-treino é um dos maiores equívocos de compreensão da Nutrição e – óbvio – de Nutricionistas.

Ah, Balu, mas treinadores tb falam isso…”

Sim, por uma dessas injustiças da vida temos que ter aula de nutrição na faculdade com nutricionistas. É um erro! Eu sei! É como pegar um monte de engenheiro hidráulico pra ensinar uma comunidade de pescadores ribeirinhos a pescar… ambos mexem com água, mas quando o assunto é pesca só um deles tem ideia mínima do que faz. Com Esporte e nutricionista é igual!

SEMPRE que se busca a resposta para algo, a primeira ação deveria ser olhar o mundo lá fora, não o que dizem vendedores. E o que encontramos? Temos que na natureza NUNCA há prévia alimentação a um grande esforço. MAIS: após um animal conseguir energia exógena (externa, a dos alimentos) ele REPOUSA.

Como querer inverter a lógica NATURAL das coisas? Como querer máximo desempenho quando a energia exógena leva a uma redução de atividade e energia interna (endógena)? Apenas acadêmicos enxergam lógica nisso!

E eu não canso de repetir: o treino não-alimentado proporciona adaptações IRREPRODUTÍVEIS ao se treinar alimentado.

Mas indo treinar sem pré-treino como ficam os vendedores? Como ficam aqueles que vivem ($) de traçar uma “estratégia alimentar” toda rebuscada ao cliente?

Eles PRECISAM, eles TÊM que vender ALGO a alguém. E não-comer não é algo! Eles vivem, pois, da não-compreensão.

A própria e a do cliente.

E você? Até quando você vai acreditar que o desejo do especialista muda a realidade? Que o seu desejo de ser especial de ter um pré-treino não faz nada em prol do seu esforço?