Arquivo mensal: junho 2020

Mensageiro das más notícias

Sempre falo aos meus clientes: eu não inventei as regras do jogo, eu apenas estou te explicando elas. Tem outra que sempre uso: no fundo no fundo nós NÃO sabemos o que faz o ser humano emagrecer. A gente sabe MUITO bem é o que engorda.

O delírio da Nutrição está em achar que o que nos engorda no mundo real, emagrece no mundo do sonho da profissão: comer de 3 em 3 horas, carboidratos complexos, ceia, alimentos de baixa gordura, óleo vegetal…

Tempo atrás um cliente de 100kg veio e falou que queria me contratar porque queria pesar 70kg. Eu recusei o trabalho. Por quê? Porque “no fundo no fundo nós NÃO sabemos o que emagrece. A gente sabe BEM é o que o engorda”. Eu NÃO posso vender um peso que não posso garantir entrega! Quem te promete um peso X (ou mesmo uma taxa Y de perda) está MENTINDO.

O que se faz é TIRAR o indivíduo de um estado de ”engorda” e deixar a natureza agir para (com sorte) emagrecer até estar satisfeito!

Um do caras mais incríveis, Ted Naiman, hoje escreveu algo sincero no ponto que te faz perder clientes, mas ao menos é honesto: “uma verdade inconveniente. Feche os olhos e imagine o peso que você deseja ter e manter. Agora abra novamente os olhos. Você pode chegar NA METADE. E é isso! Se você tem 100kg e deseja ter com 70kg, você pode chegar a 85kg”.

Duro, não?! São vários pontos além da sinceridade desconcertante. O mais importante eu já disse: nós NÃO SABEMOS o que emagrece o ser humano, Quem diz que sabe sem te jogar numa ilha deserta sem comida está MENTINDO.

O segundo é que as CONSEQUÊNCIAS do sobrepeso/obesidade têm um quê de tabagismo… você provavelmente NÃO reverte tudo. Você melhora, não compensa 100%. POR ISSO que é TRISTE DEMAIS ver crianças obesas (e é o que MAIS tem hoje). Isso porque a gente SABE que elas sofrerão no futuro. As células adiposas podem ser reduzidas, desaparecer, mas não todas!

E por isso que quem engordou 10kg em 1 mês tem MUITO mais facilidade do que quem está com 10kg de sobrepeso há 3 anos. O corpo adotou isso como o novo normal, a nova norma e fará de TUDO pra não se livrar desses 10kg. Segundo Naiman você ganha de 5kg dos 10kg.

A Nutrição e a Navalha de Ockham

A Navalha de Ockham é um princípio de investigação que ajuda na formação de hipóteses que expliquem fenômenos. Porcamente resumindo, o princípio postula que das múltiplas explicações adequadas que expliquem um fato, deve-se optar pela mais simples, aquela que contenha o menor número de variáveis. Ockham é o sobrenome do filósofo inglês que dá nome ao postulado.

Uma das passagens mais engraçadas das entrevistas dadas por Gary Taubes explicando sua teoria do por que engordamos foi feita na TV ao lado de uma personal trainer. Ela rebate Taubes de forma professoral tentando explicar a ele a Primeira Lei da Termodinâmica. É engraçado JUSTAMENTE porque Taubes então lhe revela que ele é Físico formado por Harvard.

Vocês não imaginam o quanto isso me acontece (fiz 3 anos de Engenharia Civil na POLI). Nutricionistas falando se eu conheço a lei… sendo que se tem duas coisas que você NÃO estuda numa faculdade de Nutrição, além de Esporte, é JUSTAMENTE Matemática e Física (*ainda que insistam que saibam calcular a quantidade de calorias até a casa das unidades. **não, não sabem).

A tese do balanço calórico como explicação do controle de peso é um equívoco JUSTAMENTE por tomá-la como causa e desconsiderar a chance de ser CONSEQUÊNCIA. Se você perguntar a um professor de Nutrição que ainda fala essas bobagens por que numa sala tem gente, ele dirá que é porque entrou mais gente na sala do que saiu. Porém, isso NÃO nos revela a CAUSA de alunos estarem lá (ganhar presença). Entrar mais aluno do que sair foi uma CONSEQUÊNCIA da real CAUSA (o aluno TER que estar lá pra ganhar presença).

A tese do déficit calórico é uma invenção JAMAIS colocada devidamente à prova. E quando estudada como no mais clássico estudo (o Experimento de Minnesota) ela não para em pé. Se você sugerir jejum para emagrecer (não é para isso!) o Nutricionista que defende o balanço calórico dirá que não funciona, que emagrecer/engordar é um processo complexo, indo na contramão JUSTAMENTE da Navalha de Ockham que explica a BASE da profissão! Por quê? Porque a Nutrição é antes de tudo e EM TODO SEU FUNDAMENTO um exercício da mais pura dissonância cognitiva.

Obesidade e aposentadoria no esporte – parte 3

Semana passada trouxe aqui o caso do ultramaratonista Michael McKnight que correu 160km à base de água e eletrólitos, o que vai na contramão das diretrizes nutricionais esportivas, que são fundamentadas em muita fé, pouca prática e nenhuma observação. Hoje lhes trago Marshal Yanda, um dos melhores guards da NFL.

Yanda se aposentou de um esporte que exige uma montanha de músculos. Muito acima do peso de um não-profissional, do que é saudável, ele decidiu perder o excesso de gordura. Em 3 meses o ex-jogador perdeu 30,5kg. Bom, né? Vamos ver como?

Na imagem 2 desse post eu coloco sua dieta típica de jogador e a adotada pra derreter o excesso de gordura. A base da Nutrição estabelece que nosso peso é fruto do balanço calórico. Gaste mais do que consome e você emagrece, coma mais, engorde. Ou seja, trata as calorias como IGUAIS, seria QUANTO comemos e não O QUE comemos.

O problema: associação não é necessariamente causa. Se você perguntar ao meu professor na USP que ainda fala essas bobagens por que sua sala tem gente, ele dirá que é porque entrou mais gente na sala do que saiu e não necessariamente a CAUSA de termos que estar lá (assinar a lista porque ninguém merecia ver aquilo). Entrar mais gente que sair foi uma CONSEQUÊNCIA da real CAUSA (termos que estar presentes lá pra ter presença).

Você pode argumentar: “Balu, a dieta pós-NFL tem menos calorias”. SIM, tem! Até meu ex-professor acertaria essa. A Física e a Matemática estão certas! Energia não vira esperança (apenas quem pede pra comermos carboidrato complexo acha isso!). Mas repare no que vai em amarelo. São alimentos ricos em carboidrato. Yanda decidiu por cortá-los da dieta e é a retirada deles (e NÃO das calorias!) que dá condições ao corpo para que se queime gordura! O motivo: é com baixos níveis de insulina que ocorre a lipólise. Isto está em qualquer livro vagabundo de fisiologia, mas as faculdades fingem não estar.

Repare o que vai ainda em lilás. Yanda cortou um shake/smooth (“calorias líquidas” dão baixa saciedade) e antecipou sua última refeição, aumentando o jejum, que é o MELHOR jeito não-medicamentoso de se diminuir os índices de insulina possibilitando assim: (sim!) acesso às reservas de gordura (que ele quer queimar)!

Se ele cortasse igualmente as calorias e não os carboidratos, ele ainda teria níveis elevados de insulina, não tendo acesso à gordura corporal e assim teria fome! É o que acontece quando você segue a dieta padrão do Nutri-Nesfit. POR ISSO ninguém a segue por mais que poucas semanas e POR ISSO que a profissão é um fracasso, já que o histórico da dieta hipocalórica é de redundante fracasso.

p.s: Yanda cortou ainda parte do consumo de gordura porque um corpo high-fat como ele era não precisa de gordura exógena… ele assim precisa é ser low-carb para ter acesso, para poder queimar o high fat corporal.

p.s.2: já escrevi duas vezes sobre NFL, obesidade e aposentadoria… a primeira aqui e outra vez também usando um exemplo prático aqui.

 

160km com zero calorias?

Você conhece o ultramaratonista Michael McKnight? Tudo bem, não é preciso. Como você só precisa de UM caso pra derrubar TODA uma teoria, McKnight nos serve! É o conceito do Cisne Negro, você precisa de apenas UM cisne negro pra derrubar a ideia de que todo cisne é branco.

Dias atrás um leitor me mandou o link de uma dessas revistas ruins (dessa vez era de triatlo) com uma nutricionista-vendedora explicando que carboidratos são essenciais ao desempenho (de triatletas) na longa distância.

De cara 2 erros. Primeiro, quem já trabalhou com isso sabe que uma revista nada mais é que um catálogo de vendas. Ela lutará para defender seus chefes, os anunciantes, no caso, fabricantes de suplementos esportivos. Nada melhor que uma vendedora diplomada pra fazer o serviço. E segundo, você JAMAIS deveria ouvir o que nutricionistas têm a dizer sobre esporte e desempenho. Quando um atleta meu deixa mexerem em sua dieta, eu tiro meu corpo fora, não respondo pelo que irá acontecer.

Basicamente os Nutricionistas IPI dizem que uma vez que nossa reservas de glicogênio (muscular e hepático, no fígado) são (bem) limitadas (e são!), você precisa toda vez que sair de casa, andar com um sachê de gel. Se eles tirassem a b&nda do consultório e fossem a UMA competição na vida veriam que esse raciocínio não sobrevive.

UM DOS objetivos do treinamento é fazer o corpo criar adaptações para fazer aquilo que atualmente lhe é inviável. E aqui entra McKnight e a restrição de carboidrato.

McKnight aderiu à dieta cetogênica para mostrar que é possível correr 160km sem ingerir nada além de água e eletrólitos. Como isso é possível? Vou falar em algumas linhas o que 99% dos nutricionistas não conseguem entender em 4 anos de faculdade…

Na restrição de carboidratos da dieta (seja ela low-carb, seja cetogênica, que é uma “very low-carb”, com menos de 50g diários desse nutriente) o corpo passa por adaptações fisiológicas, metabólicas e bioquímicas por semanas ”aprendendo” a retirar energia da gordura, quase “ilimitada” no corpo. Como? Com uma condição essencial: com níveis baixos de insulina que só é possível nas dietas de restrição de carboidrato (low-carb ou cetogênica). Reforço: você só fica BÃO em queimar gordura, restringindo o carboidrato. E o que manda o Nutricionista IPI? Que você coma MUITO carboidrato. Ou seja… o Nutricionista IPI é um OBSTÁCULO ao seu desempenho. Fuja deles!