Arquivo mensal: agosto 2019

Ração sem grãos? O império contra-ataca!

Há uma onda recente entre donos e tutores de cães de buscarem ração do tipo grain-free, ou seja, que não tenha grãos em sua fórmula. O motivo? O indivíduo comum está se dando conta daquilo que uma faculdade de veterinária ou de zootecnia parece não ensinar: o conceito mais do que básico de que cães não foram feitos para comer grãos, então uma ração assim tenderia a ser melhor.

Obviamente que não comer grãos abre possibilidades sem fim, para o bem ou para o mal. Seria ingenuidade achar que as empresas deixariam de dar arroz e milho ao seu cão, para oferecer carne bovina e não cobrar (muito) a mais por isso. O que o mercado fez foi buscar alternativas igualmente baratas só que não menos ruins.

Mais do que isso, o que o mercado fez foi reagir contra-atacando: “Como assim você não vai comprar o nosso produto??”

A piora do insumo usado começou a aparecer. Como sei? 16 marcas de ração para cães parecem estar associadas a um risco elevado de insuficiência cardíaca em cães de acordo com o poderoso FDA (Food and Drug Administration) americano. Isso porque para deixar de dar arroz, as marcas passaram a optar por alimentos ainda piores a um carnívoro como ervilhas, lentilhas e grão-de-bico, leguminosas que contam com antinutrientes estranhos ao organismo do cachorro.

A outra saída do mercado foi contar com seus garotos de programa de sempre, que vestem jalecos fingindo serem inteligentes ou pesquisadores sensatos e honestos. Veja como se sai essa ~especialista~ consultada: “Não há benefício comprovado cientificamente para alimentos sem grãos, então por que arriscar? Não há razão científica para ficar sem grão.”

COMO É QUE É?!? Um calouro não passa de ano em Iniciação Científica em uma faculdade minimamente séria se acreditar nessa afirmação.

Porém, é assim que funciona! O mercado de rações caninas é bilionário, ingenuidade seria achar que não haveria resposta por parte deles. Agora deram pontapé ao temor tentando nos convencer usando pesquisadores ignorantes ou mal intencionados dizendo que ração boa é aquela que tem grãos, ainda que cães não devessem consumi-los. Surreal!

 *Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Veterinário Clandestino! Se preferir a versão impressa, compre aqui!

Os Especialistas estavam errados

Ou ainda:

UMA FACULDADE DE NUTRIÇÃO É PURA ESQUIZOFRENIA

Uma coisa que sempre comento aos meus e que pude falar bastante no dia da entrevista à Revista O2 é que, sem saber qual a recomendação de saúde no que diz respeito à Nutrição, se a diretriz pede que você vá a um lado você tem mais chance de acerto e melhora se ficar parado ou ir à direção oposta.

Sempre que meus amigos fazem o check-up anual que a empresa manda eles sabem que terão que MENTIR ao Nutricionista em plantão. Veja a pergunta abaixo que está no relatório daquele que é o segundo melhor hospital do país:

 

O que eles pedem DIARIAMENTE eu recomendo como margem SEMANAL. Tem mais… não há UMA evidência que sugira ser melhor comermos 5 frutas ao dia. Tem que ser MUITO ignorante no assunto para colocar um copo de suco como equivalente a uma fruta. E estamos falando de uma entidade que deveria ser excelência em saúde. O que esperar das piores??

Um dos MAIORES benefícios das redes sociais e da internet no que diz respeito à Nutrição é que, uma vez que os especialistas erraram em TUDO o que diz respeito à Nutrição nas últimas décadas, por conta própria as pessoas que querem cuidar da própria saúde começaram a se afastar das diretrizes. Esses especialistas estão expostos em sua ignorância e incompetência.

Não há UM tema no que os especialistas não estejam incrivelmente equivocados nas diretrizes! Consumo de Carne, de Sal, de Colesterol, de Frutas, de Grãos, de Óleos Vegetais, prática do Jejum, Emagrecimento…

E sempre me perguntam: mas atualmente não estaria melhor do que quando você fez faculdade? Bom, a imagem que ilustra o post é de uma aula bem recente em uma faculdade de Nutrição. Tire você suas conclusões.

Diabetes do tipo “Nutris Esportivos”

Veja a conclusão do seguinte estudo feito com atletas de ALTO nível, desses que vivem indo em “nutri esportivo”: “ao contrário das expectativas a glicemia alta parece ser uma preocupação MAIOR do que a baixa glicemia mesmo naqueles com MAIOR gasto de energia e consumindo ABAIXO da ingestão recomendada de carboidratos”. Do grupo estudado, 30% desses atletas (que treinam MUITO e competem BEM melhor que você) tinha PRÉ-diabetes!

“VOCÊ NÃO CONSEGUE PELO EXERCÍCIO SUPERAR UMA DIETA RUIM”

Lembre-se: tenha a sua volta profissionais que tenham skin in the game, pele em jogo! E quem manda você encher o rabo de carboidratos HOJE para correr 21km NÃO tem pele em jogo, afinal, as consequências do consumo crônico de carboidrato (especialmente aqueles na forma de LIXOS como os isotônicos e géis ou balinhas) se dará só quando já tiver passado sua consulta com ele.

A corrida (ou QUALQUER outra atividade física) NÃO te salvará do custo fisiológico do consumo crônico de carboidrato na forma de suplemento, suco e farinha.

Talvez você conheça Steve Redgrave, o maior remador britânico, um dos maiores da história. Sua dieta foi “cientificamente” elaborada por “nutris esportivos”. Ele consumia gel, balinhas de carboidrato (jujubas), geleia e treinava feito um cavalo… Redgrave treinava em uma semana mais do que você treina por mês. Hoje ele tem diabetes. Duvido que algum desses “nutris esportivos” ainda estejam ao lado dele na doença.

 

Por que ele caiu nesse conto?

Porque TODOS (eu tive aula com encantadores de serpente também!) fomos educados pela “ciência” de que tinha que ser assim… Eles, ingênuos (ou nem tanto, pois acreditam nisso entre outras coisas porque ganham dinheiro vendendo suplemento), acharam que não havia consequências inesperadas.

A tese do consumo crônico de carboidrato refinado, ou seja, SEM fibras (suplementos, sucos, géis, açúcar, frutas anabolizadas…) NUNCA foi a norma na espécie. “Nutris esportivos” AINDA acham que é melhor. Porém, a oferta frequente de energia NÃO é o padrão na natureza, que moldou nosso organismo.

Talvez caiba falar ainda de Rob Gronkowski, ex-jogador do New England Patriots que se junta a Joe Thomas de quem falei tempo atrás. Gronkowski perdeu quase 25kg em 1 ano mesmo treinando MUITO menos. Como?! Apenas deixou de seguir a “ciência” dos “nutris esportivos”. Talvez justamente POR ISSO não vire um diabético obeso.

Pergunto: o “nutri esportivo” que hoje te vende palatinose e a ideia de lanche pós-treino estará ao seu lado quando você estiver obeso e diabético??