Arquivo mensal: julho 2019

“Diz-me o que comes; eu te direi quem és”.

Parafraseando alguém dia desses: não sei bem como a coisa funciona, mas parece certo que o projeto “mundo vegano” recebeu um reforço orçamentário recentemente.

Basta ver o número de reportagens, ~pesquisas~ e matérias fazendo paralelos entre sustentabilidade e melhor saúde nos alimentos de origem vegetal.

Então na próxima vez que um ativista vier lhe dizer que o mundo precisa se alimentar de forma mais “vegetal”, explique que a dieta americana, por exemplo, já tem mais de 70% das calorias vindas de fontes… VEGETAIS.

A frase de 2 séculos do francês J. A. Brillat-Savarin na abertura do texto diz muito sobre o mundo contemporâneo. No momento que escrevo estou fazendo 15 dias na Dieta Paleo, onde não entram laticínios, grãos, açúcar e óleos vegetais, além dos alimentos processados. Eu DUVIDO você conseguir engordar (ou adoecer!) se alimentando em uma dieta estritamente paleolítica!

E aí entro no meu segundo ponto. Sua dieta está na linha na mesma porcentagem das calorias que você consegue obter se alimentando exclusivamente daquilo que encontra em uma feira e um açougue. Simples, não?!

Assim como na Paleo eu arrisco que você NÃO adoece/engorda se sua alimentação for à base de planta (folha & legume) e bicho (carne & ovos). NÃO me importa a distribuição do que você come desde que seja DENTRO desta amostra!

E por que o mundo está OBESO??

Uma análise recente com +230.000 produtos alimentares encontrou que 71% são ultra-processados e que dos mais vendidos 86% os são. Isso é o OPOSTO do feira/açougue, planta/bicho…

A indústria que te empurra “hambúrguer impossível”, açougue vegano, ovo-não-sei-o-quê, whey protein de ervilha não te vende saúde, vende os MESMOS alimentos ultra-processados que adoeceram e engordaram todo um planeta!

Pense nisso!

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

Anúncios

As armadilhas do supermercado – BISCOITOS.

A SOBREMESA (DE GOSTO RUIM) DISFARÇADA…

Um mito na Nutrição ainda vai demorar muito a cair: a ideia de que devemos comer a cada 3 horas para não reduzir nosso metabolismo.

A ideia é tão ESTÚPIDA por si só que espanta ver gente da área a defendendo. Uma explicação básica para essa vida longa é que esta é uma ideia patrocinada. Com dinheiro mesmo! Afinal, para que isso seja feito exige que compremos pequenos lanches. E isso por outro lado explica por que o jejum, seguro e eficiente, não vingue com a mesma força: NINGUÉM o patrocina(rá) (falamos novamente de dinheiro mesmo).

Semana passada falei como a indústria envelopou toda uma seção de sobremesas refrigeradas como sendo saudável (iogurte). Temos ainda outro caso INCRÍVEL nos supermercados: biscoitos “saudáveis”.

O termo em si já é surreal… Mas olhemos com atenção. Uma das marcas mais famosas coloca sempre uma atriz magra e naturalmente linda comendo um produto com gosto de serragem passando a ideia de que isso a emagrece, a deixa bela, acelera o seu, o dela, o nosso metabolismo.

Quando comparamos esse produto com o Oreo, por exemplo, talvez o biscoito mais famoso do mundo, temos que ali no “falso saudável” há a mesma quantidade de açúcar que uma bolacha sabidamente indulgente (Oreo)!

Mais!

Quando comparamos com outra bolacha, Calipso, a coisa PIORA. A “saudável” tem MAIS carboidrato que uma sobremesa que viciou toda minha geração.

Faz sentido?!
Óbvio que NÃO.

O que a indústria faz é chamar uma sobremesa – ruim, mas sobremesa – e suas concorrentes todas como snack saudável. Uma você comeria para emagrecer, é ruim e engorda. A outra, que é gostosa (acho Oreo horroroso, mas gosto é gosto) você evita comer para poder emagrecer e ela engorda MENOS que aquela com gosto de serragem! PORÉM, a propaganda dá a entender que é o melhor a se fazer!

Uma vez, em tom de piada, expliquei a uma cliente que no intervalo do trabalho fazia mais sentido ela tomar uma Heineken long neck (12g de carboidrato por garrafinha) que um desses biscoitos que ela comia, pois engordaria menos! Mas a indústria nos convenceu do contrário.

Apelando a uma frase histórica de Churchill que disse que “entre a desonra e a guerra, (os franceses) escolheram a desonra e terão a guerra”, aquele que come esses produtos, entre a saúde e o sabor escolheram a saúde e ficarão sem os dois! 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

As armadilhas do supermercado – IOGURTES.

Os supermercados (ao lado dos restaurantes do tipo buffet) são os melhores laboratórios que existem quando o assunto é Nutrição. Por isso sempre vou com meus clientes lá!

Uma parte onde sempre paro é a de IOGURTES. Iogurte nada mais é que uma combinação de LEITE+FERMENTO+(ação do)TEMPO. Qualquer coisa (eu disse qualquer coisa!) agregada nesse trio, o aproxima mais a um Chandelle. (*sim, comprar “iogurte” proteico, a nova moda, é de um erro tremendo… caro, ruim e nutricionalmente pior porque tem 17 ingredientes)

A sacada mais genial da indústria alimentar foi transformar toda uma seção de sobremesas refrigeradas nomeando-a como “iogurtes”.

Veja um exemplo da Vigor (eu tenho absolutamente NADA contra a marca… Todas as marcas são iguais nesse critério)… Um iogurte natural REAL deles tem 10g de carboidrato. Mas ele é azedo, né? E se colocarmos ameixa. Ameixa é fruta, a diretriz nutricional diz que fruta é saudável, então o iogurte fica melhor, correto?

Pois agora o mesmo copo passa a ter 28g de carboidrato. Seria mais ou menos como pegar o copo original e colocar quatro sachês de açúcar. E o de sabor Cenoura/Mel/Laranja? Não menos pior… 26g…. o mesmo que 3 daqueles pacotes de açúcar…

E se optarmos pelo CHANDELLE? Bingo! 20g! Tem MENOS que o iogurte com FRUTA!

Quando optamos por iogurtes desnatados (que por isso têm MAIS carboidrato que os integrais) ou optamos por sobremesas disfarçadas de iogurte (como esses de frutas) acabamos levando algo de gosto PIOR achando que é mais saudável que aquele de gosto MELHOR.

Ah, mas e as calorias“…

É um ERRO CONCEITUAL achar que nosso corpo responde à aritmética e não à Biologia.

Fique esperto nas compras! 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

“Não são as calorias, estúpido!”*

Fiz propositadamente um trocadilho com uma frase célebre. Isso porque aos meus clientes eu SEMPRE falo: me importa MUITO pouco o quanto você come, mas O QUE você come!

Não trabalho com quantidades nem porções. Considero que acho inútil a contagem de calorias (com fórmulas feitas por uma especialidade que não trabalha nem tem apreço seja por matemática ou física). Aliás, se ter ciência do consumo calórico fosse MESMO importante, como a sociedade teria permanecido magra (ou longe da globesidade) por MILHARES de anos? Como teríamos feito isso se o conceito que temos de calorias é muito recente (além de extremamente falho)?

Exatamente quando escrevo este texto, ao acabar com outros colegas um experimento de ficarmos 28 dias na Dieta Paleo, vejo que divulgaram um estudo REVELADOR! Pela primeira vez se demonstrou de forma forte a relação de CAUSALIDADE entre alimentos processados e os não-processados, ou seja, aquilo que chamamos de “comida de verdade”, uma das bases da dieta paleolítica.

No estudo as pessoas comiam por 15 dias um dos grupos de alimentos ad libitum, ou seja, SEM controle das porções. O que aconteceu? Ao comerem “comida de verdade”, elas emagreceram 1kg. Reforço: sem controle calórico.

Já quando comeram por 15 dias alimentos processados elas ENGORDARAM 1kg.

Ao olhar o gráfico, os especialistas de sempre, que dizem que jejum perde músculo, que gordura mata do coração e que carboidrato é essencial, só enxergarão uma coisa: quem engordou também comeu mais calorias.

SIM!

LÓGICO!

Isso é física elementar! O ponto é: o que é causa? O que é consequência?

O ser humano foi moldado por milhões de anos comendo “comida de verdade”. Quando nos deparamos com um alimento que NUNCA existiu em nossa evolução, temos um organismo NÃO preparado a isso. Nós assim não sabemos lidar com ele, não há mecanismo apurado de saciedade. Ele se desregula!

Se ele não se sacia, é uma ESTUPIDEZ achar que fazer alguém comer poucas calorias de um alimento processado é uma boa ideia. Basta para isso dar ao indivíduo aquilo para o qual ele foi FEITO para comer: comida de verdade.

Negar a realidade é uma especialidade da Nutrição. Irão especular os motivos pelos quais engordaram mais. Dirão que é a falta de fibras (não é), excesso de sal (também não)… Isso muito POUCO IMPORTA! O que importa é o resultado: não são QUANTAS calorias, estúpido! Mas DE ONDE elas vêm!
 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

Sobre o vício do açúcar.

Uma das coisas mais interessantes que aprendi quando pesquisava para escrever meu livro “O Veterinário Clandestino” é sobre o impacto que o açúcar tem no nosso consumo alimentar. Estudos feitos com ratos colocam em xeque a ideia do balanço calórico como regulador de saciedade. A coisa é MUITO mais complexa.

Em ratos que recebiam água com açúcar o consumo calórico aumentava. Ou seja, eles NÃO deixavam de comer um pouco da ração diária… PIOR, na verdade os ratos bebiam a água com açúcar e comiam MAIS da ração. Era assim, ratos à base de ração comiam X, mas quando recebiam também água com açúcar comiam X mais Y (além das calorias da bebida adocicada).

E o mesmo já foi feito com outros animais. O efeito do açúcar é mais do que apenas adoçar um alimento, ele nos faz comer mais dos dois! Ele DESREGULA nosso consumo energético.

Qualquer pessoa da indústria alimentar sabe disso. Não à toa eles colocam açúcar em praticamente TUDO. Objetivo? Nos fazer consumir mais do seu produto. E esta é uma prática recente sabe por quê? Porque somente agora açúcar se tornou barato.

Uma das coisas que mais ouço nos meus atendimentos é “sou formiga”, “gosto de doce”, “não vivo sem açúcar”. Há duas observações aqui. A primeira é que de certa forma é bom que você goste de doce, é um sinal de que você é normal. O ser humano foi feito para gostar de doce, de açúcar.

A segunda, um pouco mais séria, é que isto não te dá liberdade de satisfazer essa vontade sempre. Senão poderíamos fazer tudo conforme nossos desejos, mas a vida não pode ser assim.

Quando comecei a ideia dos 28 dias na Dieta Paleolítica, que não permite nem açúcar nem doces processados, uma das desculpas mais ouvidas dadas a mim por quem queria um motivo pra não participar foi: não aguento ficar sem doce.

Um conceito pouco compreendido é que essa vontade de consumo de doce não diminui quando consumimos algum doce no curto prazo, mas quando passamos a consumir MENOS dele no longo prazo. Para alguém reduzir esse vício, você não oferece mais da substância em questão, mas MENOS.

Isso entre outras coisas porque o excesso de açúcar TIRA a nossa sensibilidade ao sabor doce… É na AUSÊNCIA dele que os sentidos são regulados. Para melhorarmos nosso paladar doce precisamos é justamente comer MENOS dele.

Eu não sou daqueles que acha que o açúcar é um veneno. NADA na Nutrição deveria ser olhado que não seja aos olhos das doses e frequências de consumo.

Então, se você acha que “não vive sem açúcar” há grandes 2 equívocos. Sim, você vive sem, ainda que não tenha razões para fazê-lo. E segundo, justamente por achar que não vive sem, você deveria consumir MENOS. Até porque seu consumo nos faz comer mais, pior e vicia.

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)