Arquivo mensal: maio 2019

Líquido quebra jejum?

LIQUIDUM NON FRANGIT JEJUNUM

Ou ainda…

LÍQUIDO NÃO QUEBRA JEJUM

Essa sentença dita em latim pelo cardeal Francisco Maria Brancaccio acabou determinando que alimentos líquidos NÃO quebram jejum.

A Nutrição convencional, que tem apenas décadas, diz que jejum é modinha e faz mal. Bom, a frase foi dita ainda no século 17 sobre um hábito de bilhões de pessoas feito com segurança por milhares de anos.

Açaí quebra jejum. Fruta quebra jejum. Mas…

Café (sem nada!) NÃO quebra. Chá natural, não o de latinha, que é apenas um refrigerante sem gás, NÃO quebra jejum.

Água com Gás NÃO quebra jejum.

Refrigerante DIET/Zero/Light quebra? NÃO!

Jejum é sobre NÃO comer, não consumir calorias. Mas UM dos intuitos do jejum é a questão de purificação (no sentido de limpeza, autofagia). Consumir adoçantes (mesmo Stevia) não é assim a melhor opção.

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

Anúncios

O Dilema da Ração – skin in the game.

Uma coisa que donos de cães e gatos devem ter SEMPRE em mente é que o comprometimento ÚNICO e MAIOR de uma fabricante de ração para animais está EXCLUSIVAMENTE com a saúde financeira da própria EMPRESA. Ela NÃO tem comprometimento NENHUM com a saúde de seus animais de estimação. Esta é uma responsabilidade 100% SUA, intransferível.

Há aqui nessa relação indústria-tutores uma assimetria de interesse, pois o mercado quer acima de tudo vender mais. Então ele quer ganhar a preferência pelo sabor e fazer o animal comer mais do seu produto. Isso acontece enquanto o outro lado da negociação quer acima de tudo saúde e praticidade. Pois 2 estudos recentes da USP vieram jogar mais luz nesse assunto.

As embalagens de ração (para cães e gatos) normalmente exibem a imagem de alimentos que seriam grande parte da composição do produto em questão. Pois pergunto: você já viu alguma com foto de milho ou de (farinha de) vísceras de frango? Não, certo? Pois estes 2 são os ingredientes que os animais de estimação do Brasil mais consomem!

Um dos trabalhos analisou 25 marcas de ração para cães e encontrou que em média os produtos têm 60% de nutrientes de origem animal e 40% de vegetais. Quase tudo se reduzindo a milho e frango. Lobos, que são MUITO mais próximos dos cães do que nós somos de qualquer primata, NÃO consomem grãos. Mas os fabricantes de rações ideias acham essa composição uma boa ideia.

Quando vamos para a área dos felinos temos que a composição de 28 marcas de comida pra gato foi parecida. Em somente um em cada 5 produtos havia menos do que 10% de conteúdo de origem vegetal. Porém, mais importante que aos cães, gatos são animais carnívoro estritos! Ignorar isso é tão doente quanto querer alimentar coelhos ou vacas com carne, leões com alface!

PAGAR MAIS RESOLVE?

Antes fosse… As rações classificadas como premium, mais caras e que teoricamente seriam de melhor qualidade são TAMBÉM compostas fundamentalmente de frango e milho.

As fórmulas de ração para animais de estimação podem variar em proporções de ingredientes, mas os ingredientes básicos são os mesmos. Pode-se afirmar como disse a renomada pesquisadora Marion Nestlé, que o conteúdo de ração para animais de estimação é muito parecido e a diferença mais importante entre uma marca e outra não é o aspecto nutricional, é o preço.

O QUE FAZEM É CRIME?

NÃO. O que a indústria faz ao te enganar tem respaldo da lei.

Nos EUA, uma espécie de norte da nossa regulamentação desse mercado, um alimento que possui na embalagem a palavra “dinner”, “nugget” ou “formula”, precisa conter apenas 25% do alimento anunciado, neste caso a carne. Já se o produto (ração) vem com a palavra “contém”, ele precisa por lei ter apenas 3% do alimento em questão!

Para ser ainda mais preciso, nesta “regra dos 25%” e na “regra dos 3%” o fabricante tem o direito resguardado de nomear seu produto, por exemplo, dizendo que ele é feito com arroz e frango no título. Porém, na realidade, esses dois ingredientes precisam corresponder a apenas 25% da ração (excluindo a água necessária para formulá-la). Mas mais do que isso, como são dois ingredientes nomeando o produto, eles precisam ter ao menos 3% de um deles (e ao menos 22% do outro), surgindo assim a possibilidade bem recorrente de uma ração intitulada como de frango e arroz ter 22% (ou mais) de arroz e somente 3% de subprodutos da ave. Você leu certo.

É um direito do setor, não há infração legal aqui! E já quando falamos de saboro assunto piora. Um produto pode carregar a expressão “Sabor Contrafilé” já que a lei dá direito ao fabricante de nem precisar sequer colocar nada de contrafilé que não apenas seu sabor artificialmente.

Você não vai NUNCA ver entidades falando sobre este problema, mas se você ou mesmo um veterinário (!) sugerir dar carne a um cão ou gato, ambos terão problema.

Surreal, não?
 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Veterinário Clandestino! Se preferir a versão impressa, compre aqui!

O maior aliado do VEGANISMO é a Ideologia, não a Ciência

Você pode optar pelo Vegetarianismo (e suas vertentes) porque tem dó de comer animais ou por qualquer motivo. A razão diz respeito apenas a você! Mas é inegável: o maior aliado do vegetarianismo é a IDEOLOGIA.

Dias atrás recebi um texto de um grupo de plano de saúde que tenta “ensinar” o leitor a virar vegetariano. Se uma empresa que vive de nós nos sentirmos doentes diz que faz bem, é porque deve fazer mal!

Fiz no site (e em portais famosos) a busca por citações à Dieta Carnívora. Obviamente que sem sucesso.

Ambas as dietas, vegetariana e carnívora, se apoiam na exclusão total de um grupo de alimento. Dois pilares fundamentais da Nutrição como profissão (ainda que completamente mal compreendidos e equivocados) são: equilíbrio e variedade. Como haver equilíbrio pregando que não se consuma um enorme grupo?

Porém, apenas uma delas encontra torcedores nas instituições dando aulas: aquela que combate de forma puritana e ignorante o consumo de alimentos de origem animal.

A Nutrição é um curso superior no qual você PRECISA negar a realidade. Em qualquer faculdade você encontra professores vegetarianos que vão empurrar sua ideologia aos alunos atropelando a lógica, aquela que mostra que por centenas de milhares de anos nossa espécie consumiu carne. Mas eles acham que em uma questão de décadas ela passou a nos matar de câncer, coração e diabetes.

É possível, como foi comigo, você atravessar um curso inteiro tendo que estudar “os benefícios do vegetarianismo” sem jamais ouvir NADA a respeito da dieta carnívora porque ela não tem torcedores no mundo acadêmico.

Como eu disse, os motivos que levam você a abandonar o consumo de carnes ou vegetais, diz respeito a você. Eu acredito que a dieta ideal não passa por nenhuma das duas! O que me espanta é olhar os “especialistas” de sempre fazendo contorcionismo argumentativo e atropelando a lógica para defender uma delas. Eles só não admitem que são torcedores. São só ignorantes mesmo.

****

Por que tanto se fala em veganismo atualmente? Porque há toda uma agenda em prol dela. O lucro ao fabricante é muito maior. Ou como diz P. D. Mangan: Você pode não estar interessado em veganismo, mas o veganismo está interessado em você!

E nada mais efetivo do que começar pelas faculdades e pelos “especialistas” de sempre, aqueles ouvidos pela TV.

 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

Obesidade e aposentadoria no Esporte – parte 2

Joe Thomas é um ex-jogador da NFL com 10 participações no Pro-Bowl, o All Star do futebol americano, sua modalidade. Ele é lembrado como um dos maiores da história em sua posição. Recém-aposentado, ele queria se livrar do excesso de peso que traz vantagem competitiva na NFL. Para isso ele perdeu 34kg de 148kg!

Recentemente Thomas deu uma entrevista e explicou não como emagreceu, mas como ele fazia para engordar, ficar “grande”. Ele disse que ele era considerado “pequeno” (undersize). Sabe como ele fazia? Nas palavras DELE:

  1. Ele comia a cada 2 horas;
  2. Ele consumia açúcar, carboidrato e massa (pasta);
  3. Ele não podia pular refeições “para não emagrecer”;

O Esporte e a Pecuária sabem como engordar MUITO melhor do que a Nutrição sabe emagrecer. Por quê? Porque esporte e pecuária vivem de resultados, a nutrição vive de intenções. Os primeiros têm skin in the game, pele em jogo, a nutrição não. Isso explica quase tudo.

Thomas é hoje um aposentado, treina BEM menos e pesa BEM menos. Ele é mais magro do que quando era um dos melhores e mais bem pagos atletas do mundo em uma das ligas mais excruciantes do planeta. Como isso é possível?

Semanas atrás eu falava sobre o drama que companheiros de liga dele vivem ao engordarem quando param de jogar. O que recomendam os “especialistas” de sempre? O OPOSTO do que Thomas fez para emagrecer! Recomendam o OPOSTO do que a Pecuária faz para engordar grandes mamíferos.

  1. Pedem para comermos regularmente, a cada 3 horas para acelerar o metabolismo. Um sinal CLARO de que não têm IDEIA do que estão falando.
  2. Pedem para cortar gorduras, aumentando assim o consumo de carboidrato, macronutriente usado para engordar Thomas e os rebanhos.
  3. Condenam o jejum, deixando o corpo em constante estado anabólico.

Faz sentido para você? Lógico que não faz!

Entre a prática eficiente e o sonho de quem nega a realidade, vocês sabem com quem eu fico!

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)