Arquivo mensal: dezembro 2018

Nutrição não diz respeito somente ao que você come

Dieta é tudo aquilo que você come. Ela pode ser low-carb, vegana, paleo, low-fat… não importa! O problema é que o resultado disso na sua saúde importa talvez mais não do que você come, mas daquilo que você NÃO come.

Parece lógico que deveríamos observar o que fazemos. Mas a via NEGATIVA parece sempre funcionar melhor. Em saúde, retirar funciona sempre melhor que adicionar. Deixar de fumar funciona melhor que qualquer remédio. Deixar de comer açúcar funciona melhor do que injetar insulina. NÃO HÁ remédio sem efeitos colaterais. Não entre os mais de 120.000 existentes!

Você come brócolis? Legal. Mas isso não compensa o cereal matinal. Você come ovos? Muito bom! Porém, isso NÃO compensa a ingestão de alimentos não-naturais como óleo de Canola, ou Soja, ou Margarina, ou Leite Desnatado (ou mesmo leite integral, uma versão “melhor”, se é que dá para chamar assim).

E aqui reside a falha dos que advogam pelo Veganismo ou o seu extremo oposto, a Dieta Carnívora, que ganha adeptos. As duas podem ser “benfeitas” ainda que podemos com segurança afirmar que as duas não serão nunca ótimas, uma vez que o homem é por natureza onívoro.

O Veganismo dá certo não por comermos vegetais, mas porque quando bem feito, abre-se mão de alimentos processados/industrializados. Quem não faz isso, invariavelmente engorda e adoece. Quem não conhece veganos/vegetarianos que só “cresceram”? O mesmo na Carnívora, quem só come carne e ovos não come alimentos processados e industrializados, a maior fonte de doenças existentes!

Resumindo: NÃO HÁ COMO adoecer comendo bicho, planta (folhas e legumes) e bebendo água. Um não come planta, por isso dá certo (ainda que não 100%, já que planta é medicina). O outro não come bicho, e se limitar-se a comer planta e beber água, também dará certo (ainda que também não 100% porque terá uma oferta energética mais linear, o oposto do que deve acontecer em onívoros)! Mas ainda assim eles podem retirar a MAIOR fonte de doenças: os alimentos processados/industrializados e ainda os não-naturais.

NÃO É SÓ O QUE NÃO SE COME

Não comer errado é a lição #1, mas está LONGE de ser a única. O ser humano foi feito para comer de dia (“no claro”). Ou seja, ele foi feito para comer em uma janela restrita alimentar. O que isso quer dizer? Que deveríamos comer com o sol posto e parar de comer quando ele se põe. E aí a Nutrição tradicional assim advoga CONTRA a nossa saúde em 2 pontos:

1. Fazer várias refeições ao dia DIMINUI nossa janela alimentar, lembrando que quanto menor, melhor (o cálculo é simples, tempo entre sua primeira e a última refeição. Ex: seu café foi às 9h00 e o jantar/ceia às 21h00, sua janela é de 12h. o ideal, suspeitamos, deveria estar abaixo de 10-12h, provavelmente por volta de 8h);

2. E fazer várias refeições implica linearidade e equilíbrio na oferta energética, algo NÃO-natural em onívoros, uma vez que este tipo de animal “flutua” entre a linearidade (fonte vegetal) e a intermitente (fonte animal). *e aqui reside a importância de se fazer jejum periodicamente.

Quando falamos de Nutrição ou Dieta, mais do que saber o que você COME, precisamos saber o que você NÃO come. E mais ainda: QUANDO (horário) e QUANTAS VEZES você come.

Fique de olho!

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

Anúncios

Não é que o açúcar faz mal…

A foto que segue é a dos sachês de açúcar no Sri Lanka que parece que agora vêm com o aviso que o produto (no caso o AÇÚCAR) é viciante e causa diabetes!

Certa vez um autointitulado especialista disse que eu estava falando bobagem. Ele, no caso, estava bem acima do peso, mas deixou claro que açúcar não vicia, que ele pararia de comer quando bem quisesse. No Brasil não faltam “especialistas” para dizer que açúcar não tem risco.

É um enorme erro conceitual dizer que algo faz mal. Água em excesso mata mais rápido que açúcar em excesso. O problema não é se o nutriente faz mal. Mas sim sua BIODISPONIBILIDADE.


O que o refino/processo/indústria faz é oferecer algo centenas, milhares de vezes o que você conseguiria naturalmente na natureza. É aí (e em todo o processo industrializado) que mora a razão pela qual você NUNCA deveria consumir óleos vegetais (mesmo o Canola). É aí também o problema do açúcar branco. Quantos pés de cana-de-açúcar você teria que mastigar pra consumir tanto açúcar? Não há mandíbula que resista!

Fuja do açúcar branco, mas não consuma vegetais com medo. Não demonize a gordura vegetal se ela vem pela ingestão de legumes.

Mas, SIM, se você consome óleo vegetal, cápsulas de vitaminas, açúcar… eu pergunto: você acharia normal um dia comer um ovo e no dia seguinte passar a comer 100 diariamente? A lógica é essa! Seu organismo nunca foi exposto a isso. Não tem como dar certo!

Ou então traga UMA população que melhorou seus indicadores ao consumir mais e mais de óleos e açúcar. 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

Danilo Balu
autor