Dieta Mediterrânea? E se ela também for um grande equívoco?

OU AINDA: era muito bom para ser verdade…

Imagine uma dieta praticamente infalível, com poucos ingredientes, que agrade praticamente toda a comunidade de profissionais da Saúde (menos aqueles que são vegetarianos), que tenha um embasamento em estudos apontando resultados surpreendentes, melhores até que a medicação em doentes. Imaginou? Ótimo, não?! Ela existe! Pena que… não é de verdade.

Dieta Mediterrânea (ou do Mediterrâneo) é um dos maiores engôdos recentes da Nutrição. Recentes porque por mais que queiram dizer que tem centenas de anos, ela foi fabricada na década de 70, apoiada em estudos de má qualidade que tinham mais esperança do que metodologia, mais fé do que lógica.

Ela é apaixonante porque parte do princípio que bastaríamos consumir aquilo que um povo que vive muito mais anos (e de forma saudável) que a média da população ocidental e voilà, a mágica se realizaria. Tem mais, a Dieta Mediterrânea prega um baixo consumo de carne. Chuto que uns 8 ou 9 entre 10 profissionais da saúde devem comer churrasco com um sentimento de culpa, porque aprenderam na faculdade que carne faz mal, que um alimento consumido pelo homem por milhares de anos, o que demonstra sua segurança, é o que passou de repente a nos matar de câncer, do coração e de diabetes dos anos 60 em diante. Eles ignoram essa falta de lógica. Eles não podem acreditar. Não dá para culpá-los, aprenderam assim. E continuam a também a ensinar assim.

A dieta do mediterrâneo também tem seus adeptos porque ela contém azeite. Outro produto do marketing. Azeite é saudável, não me entenda mal! Mas foi impulsionado mundialmente por marketing muito bem feito. Fabricantes de outros alimentos viram o resultado e adotaram a mesma estratégia. Veja a batata doce e a tapioca, por exemplo! Agora basta besuntar qualquer coisa com azeite que as artérias do coração não se entupirão. Basta trocar o pão pela tapioca que a academia fará efeito. E basta trocar a batata tradicional pela doce que temos um “fast food do bem”. É tão bom… se fosse verdade.

Escrevo isso porque veio à tona mês passado que o estudo que prometia milagres a quem seguisse tal dieta tinha enormes falhas. Voltamos à estaca zero. Levantamentos anteriores mostravam que aqueles que comiam a dieta agregando mais carne, tinha benefícios maiores. Mas daí ia contra um dos mandamentos da crença da Medicina e da Nutrição que insistem que ela mata.

Quem nos literalmente vendeu a Dieta Mediterrânea convenientemente deixou de lado justamente aquilo que faz aquele povo viver tanto: TODO seu estilo de vida. Eles vivem sob baixo estresse, fazem atividade física não-orientada (caminhadas, sobem escadas…), fazem menos refeições e em um período diário mais curto (tempo entre a primeira e a última refeição do dia), fazem jejum ou restrição alimentar por cerca de metade do ano e, muito importante, NÃO comem daquilo que nos adoece (açúcar, óleos vegetais, farinhas, fast food, etc.).

Como fazer tudo isso dá muito trabalho (além de ser quase inviável em algumas cidades), preferimos ficar apenas com a parte do “colocar muito azeite em cima da pizza às 11 da noite”. Pior: fazemos isso seguindo orientações profissionais!

Parafraseando o grande Thomas Sowell, posso dizer que “As diretrizes nutricionais atuais em geral têm um histórico de fracasso tão flagrante que apenas um Nutricionista poderia ignorá-las ou evitá-las.”

p.s.: mais uma vez parece não ser o que fazemos que nos faz bem, mas aquilo que NÃO fazemos. Não há hábito que faça compensar totalmente o fumo, por exemplo, a menos que você pare de fumar. É a tese da Via Negativa.

p.s..2: bastava uma olhada rápida no Atlas para saber que a Dieta Mediterrânea é puro fruto da imaginação de um bom vendedor. É como inventar uma dieta da Região Sudeste do Brasil. Isso não existe!
 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

Anúncios

3 ideias sobre “Dieta Mediterrânea? E se ela também for um grande equívoco?

  1. Guilherme

    Ótimo post, Balu!

    O pior é quando uns patetas como o Valter Longo escrevem um livro inteiro baseando as recomendações em “adicione azeite no macarrão” para viver mais…

    E compre meu “produto de jejum”! (Sim, ele tem um. Uma fórmula industrializada para você consumir quando estiver “fazendo jejum”. Porque “fazer jejum é difícil e ninguém consegue”.)

    Foi uma decepção ler o livro dele.

    Abração

    Curtir

    Resposta
  2. Pingback: Leituras para o Feriado de 9 de Julho (SP) | Blog Recorrido

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s