Arquivo mensal: julho 2018

O que a Pecuária ensina à Nutrição?

Quando falamos de abordagens na saúde, deveríamos seguir pessoas que têm “skin in the game” (pele em jogo), que aplicam e seguem aquilo que pregam. A área da Saúde tem um enorme desafio porque os profissionais (seja médicos, treinadores ou nutricionistas) não só não têm “o deles na reta” como têm dissociação de interesses, ou seja, o que eles mais querem é bem diferente daquilo que você mais quer.

A imagem que vai ao final desse texto é um extrato de uma recomendação de 1908 a pecuaristas criadores de porcos. Não vou traduzir por completo o texto original em inglês porque é desnecessário. O que precisamos sempre saber é que o pecuarista só ganha SE e somente se sua criação engorda. Então ele precisa por uma questão de sobrevivência ser eficiente, ou ele morrerá de fome. Quanto mais eficiente ele for, mais ele fatura ($). O criador de porco tem assim “skin in the game”.

O Nutricionista, Médico e Treinador fatura ($) assim que você põe o pé no escritório/consultório dele. O profissional de saúde NÃO tem a pele em jogo. Você não precisa ser efetivo para faturar quando trabalha com saúde. Ao menos quando falamos em “controle de peso”, um pecuarista de unha preta, pé cheio de barro e sem qualquer diploma é muito mais eficiente e competente que toda a história da ortodoxia na Medicina, Nutrição e Educação Física.

O texto de 100 anos atrás fala sobre como melhor engordar uma suinocultura. O texto fala da enorme importância de usarmos leite desnatado para engordar porcos. E o que mais? Grãos. No caso ele fala de milho, mas atualmente eles adicionaram soja. Qualquer pessoa que trabalha com engorda de criações sabe que você deve:

– oferecer várias refeições;
– oferecer grãos;
– oferecer alimentos ricos em carboidratos.

O que dizem as diretrizes nutricionais no emagrecimento em nós humanos? Entre outras coisas:
– oferecer várias refeições;
– oferecer grãos;
– oferecer alimentos ricos em carboidratos.

A pecuária é extremamente eficiente. A Nutrição no emagrecimento é extremamente ineficiente. A lógica nos diz que uma coisa que serve para engordar um mamífero onívoro como o porco não deveria ser muito bom para nos fazer emagrecer.

E se você ainda se pergunta sobre essa aberração que é o consumo de leite desnatado (ou mesmo semidesnatado), temos que nos fundamentar em uma hipótese: qualquer recomendação nutricional que envolva a substituição de um alimento ingerido por milênios (no caso o leite integral) por um produto industrial moderno (aquela água branca e suja chamada de leite desnatado) deve estar necessariamente errada.

Se seu Médico ou Nutricionista recomenda que você substitua o leite integral pelo desnatado, sugiro que você substitua…. substitua o profissional que você consulta.

 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

 

Anúncios

A Sabedoria das Multidões

Tempo atrás pude ler um livro bem interessante. Em “The Wisdom of Crowds” (traduzido livremente para “A Sabedoria das Multidões”) James Surowiecki explora uma ideia um tanto quanto inesperada: grandes grupos de pessoas são mais inteligentes do que uma elite. Não importa o quão brilhante sejam os especialistas, as multidões chegam muitas vezes a decisões mais sábias nos mais diversos campos como Psicologia, Biologia, Economia, História e…

Bom, essa semana saiu a 13ª edição de uma importante pesquisa americana feita nos EUA. Os resultados da IFIC são sempre interessantes. Um deles me chamou a atenção. Mas antes, aos especialistas…

A obesidade é resultado de um desbalanço energético, ou seja, quando a quantidade de energia (calorias) ingerida através dos alimentos é maior do que aquela gasta pelo organismo”. Você encontrará essa definição nos portais da OMS e das sociedades e associações ~especialistas~. Mas… e se eles estiverem errados!?

Quando analisados os dados populacionais nos EUA, temos que a população de fato fez aquilo que lhe foi pedido. Mas ainda assim nunca estiveram tão obesos e tão doentes. Ou seja, a orientação não funcionou. Pela definição dos especialistas, todas as calorias são iguais. Mais: pela orientação dos mesmos especialistas, gordura engorda, carboidrato salva. Não sou eu que estou dizendo, basta olhar as diretrizes oficiais. E o que encontrou o IFIC?

  1. Que as calorias não são iguais. A população tem “skin in the game” (pele em jogo). Ela já descobriu na prática que as calorias não são iguais.

Se elas não são iguais, algumas devem engordar mais. Os especialistas, cujas recomendações tornaram a população obesa e doente, apostaram que era a gordura. Porém…

  1. Hoje mais da metade dos americanos já atribui ao açúcar e ao carboidrato o peso de nutriente mais engordativo.

Por que isso? Porque as pessoas têm skin in the game, os especialistas acadêmicos não. Ou ainda, como diria Nassim Taleb: “Para as pessoas reais, se algo funciona em teoria, mas não na prática, isso não funciona. Já para os acadêmicos, se algo funciona na prática, mas não na teoria, não existe.”

É por isso que não faltam ~especialistas~ indo à TV, rádio e suas redes sociais dizendo que ou low-carb não funciona ou que você só perde músculo e água. É o jeito deles negarem a realidade que até um leigo já enxerga, mas ele não.

É a sabedoria das multidões.

 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)

Dieta Mediterrânea? E se ela também for um grande equívoco?

OU AINDA: era muito bom para ser verdade…

Imagine uma dieta praticamente infalível, com poucos ingredientes, que agrade praticamente toda a comunidade de profissionais da Saúde (menos aqueles que são vegetarianos), que tenha um embasamento em estudos apontando resultados surpreendentes, melhores até que a medicação em doentes. Imaginou? Ótimo, não?! Ela existe! Pena que… não é de verdade.

Dieta Mediterrânea (ou do Mediterrâneo) é um dos maiores engôdos recentes da Nutrição. Recentes porque por mais que queiram dizer que tem centenas de anos, ela foi fabricada na década de 70, apoiada em estudos de má qualidade que tinham mais esperança do que metodologia, mais fé do que lógica.

Ela é apaixonante porque parte do princípio que bastaríamos consumir aquilo que um povo que vive muito mais anos (e de forma saudável) que a média da população ocidental e voilà, a mágica se realizaria. Tem mais, a Dieta Mediterrânea prega um baixo consumo de carne. Chuto que uns 8 ou 9 entre 10 profissionais da saúde devem comer churrasco com um sentimento de culpa, porque aprenderam na faculdade que carne faz mal, que um alimento consumido pelo homem por milhares de anos, o que demonstra sua segurança, é o que passou de repente a nos matar de câncer, do coração e de diabetes dos anos 60 em diante. Eles ignoram essa falta de lógica. Eles não podem acreditar. Não dá para culpá-los, aprenderam assim. E continuam a também a ensinar assim.

A dieta do mediterrâneo também tem seus adeptos porque ela contém azeite. Outro produto do marketing. Azeite é saudável, não me entenda mal! Mas foi impulsionado mundialmente por marketing muito bem feito. Fabricantes de outros alimentos viram o resultado e adotaram a mesma estratégia. Veja a batata doce e a tapioca, por exemplo! Agora basta besuntar qualquer coisa com azeite que as artérias do coração não se entupirão. Basta trocar o pão pela tapioca que a academia fará efeito. E basta trocar a batata tradicional pela doce que temos um “fast food do bem”. É tão bom… se fosse verdade.

Escrevo isso porque veio à tona mês passado que o estudo que prometia milagres a quem seguisse tal dieta tinha enormes falhas. Voltamos à estaca zero. Levantamentos anteriores mostravam que aqueles que comiam a dieta agregando mais carne, tinha benefícios maiores. Mas daí ia contra um dos mandamentos da crença da Medicina e da Nutrição que insistem que ela mata.

Quem nos literalmente vendeu a Dieta Mediterrânea convenientemente deixou de lado justamente aquilo que faz aquele povo viver tanto: TODO seu estilo de vida. Eles vivem sob baixo estresse, fazem atividade física não-orientada (caminhadas, sobem escadas…), fazem menos refeições e em um período diário mais curto (tempo entre a primeira e a última refeição do dia), fazem jejum ou restrição alimentar por cerca de metade do ano e, muito importante, NÃO comem daquilo que nos adoece (açúcar, óleos vegetais, farinhas, fast food, etc.).

Como fazer tudo isso dá muito trabalho (além de ser quase inviável em algumas cidades), preferimos ficar apenas com a parte do “colocar muito azeite em cima da pizza às 11 da noite”. Pior: fazemos isso seguindo orientações profissionais!

Parafraseando o grande Thomas Sowell, posso dizer que “As diretrizes nutricionais atuais em geral têm um histórico de fracasso tão flagrante que apenas um Nutricionista poderia ignorá-las ou evitá-las.”

p.s.: mais uma vez parece não ser o que fazemos que nos faz bem, mas aquilo que NÃO fazemos. Não há hábito que faça compensar totalmente o fumo, por exemplo, a menos que você pare de fumar. É a tese da Via Negativa.

p.s..2: bastava uma olhada rápida no Atlas para saber que a Dieta Mediterrânea é puro fruto da imaginação de um bom vendedor. É como inventar uma dieta da Região Sudeste do Brasil. Isso não existe!
 

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (a versão impressa você acha aqui!)