De sanduíche natural, tapioca, arroz integral…

Um texto incrível do The Guardian joga muita luz explicando a obesidade naquele que é hoje talvez o país mais gordo da Europa: o Reino Unido. As diretrizes tortas jamais testadas da Nutrição recomendam que para emagrecer (ou não engordar) deveríamos equilibrar as calorias (o que ingerimos com o que gastamos).

E como explicar assim a obesidade que explodiu na terra da rainha? Em uma das melhores passagens de A Hora do Rush 3, o detetive vivido pelo comediante Chris Tucker, ao abordar uma motorista obesa, ela fala que tem problemas de tireoide no que ele imediatamente responde: “então pare de comer tireoides!”. Não deixa de ser engraçado que você encontre muito especialista culpando os carros, o controle remoto, o vidro elétrico, os elevadores e os celulares pelo aumento do peso na população. Falo por mim: não janto celulares nem almoço meu controle remoto da TV. Essa gente parece saber menos de sua profissão que um comediante!

Não é sobre a quantidade de calorias, mas sobre quais!

O que a matéria do The Guardian nos revela é a brutal mudança de comportamento à mesa dos britânicos. E aqui voltamos ao cinema. Em um dos melhores filmes do diretor M. Night Shyamalan o vilão vivido por Samuel Jackson em um diálogo fala de sua teoria sobre heróis e vilões. Segundo seu personagem Elijah Price em Corpo Fechado, “nos quadrinhos você sabe quem é o vilão porque ele é exatamente o oposto do herói. E, na maioria das vezes são amigos”. A nutrição, queira ou não, simplifica tudo como um quadrinho simplifica o mundo uma criança. E logicamente que erra.

Na Nutrição para cada vilão, você tem o herói. Para o arroz? O arroz integral. Para o pão/glúten, a tapioca. Para o refrigerante, o suco de fruta. Nenhum desses alimentos te ajuda a emagrecer. Todos te ajudam muito facilmente a engordar. O que a nutrição fez foi nos dar heróis fajutos, que não funcionam. E um país inteiro caiu miseravelmente nessa recomendação.

O herói que nos salvaria do fast food (X-Salada, X-Burguer, pra não mencionar a rede mais famosa) se chama sanduíche natural. Os britânicos acreditaram nessa mentira. Hoje 1/3 deles almoça sanduíches naturais. Em menos de 1 dia consomem mais sanduíches naturais do que consumiam em todo o ano de 1851. E comem muita fruta, ainda assim, NUNCA estiveram tão obesos. Há mais britânicos trabalhando montando sanduíches do que trabalhando em TODA a agricultura local. E agora eles estão passando a jantar também sanduíches naturais enquanto o governo estuda empurrar ainda mais frutas ao cidadão. Todo mundo sabe onde isso vai acabar.

Um dos maiores erros na Nutrição é achar que algo é bom, quando deveria somente e tão somente focar naquilo que já sabemos fazer mal. Não existe antídoto, não existe herói que combata o que é errado ou mal. Ou você pode continuar comendo sanduíche de peito de peru, bebendo suco e comendo tapioca, arroz integral, e sonhando que um dia vai emagrecer.

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (você encontra a versão impressa aqui)

Anúncios

Uma ideia sobre “De sanduíche natural, tapioca, arroz integral…

  1. Pingback: Leituras de 3a Feira | Blog Recorrido

Deixe um comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s