Arquivo mensal: dezembro 2017

Dia do Lixo: pode ou não?

Em apenas uma semana falando com uns 3 clientes recebi exatamente o mesmo retorno: “Balu, minha perda de peso estacionou”. Ignoremos por enquanto que nosso peso é tudo, menos linear, que tal qual nossa temperatura varia ao longo do dia (mesmo sem esporte nem tomar banho de sol), que nosso peso está longe de ser uma coisa fixa. Minha primeira reação foi ficar um pouco chateado. Comigo mesmo. Como não quero terceirizar a culpa, prefiro acreditar sempre primeiro que o problema foi a minha intervenção.

Deve haver alguma coisa errada no que EU orientei a fazer… Então pedi: “Me mande absolutamente TUDO o que vc fez e/ou comeu”.

Nesse meio tempo batia papo com outro cliente, que virou amigo. Ele vinha perdendo peso, consistente, bonito de ver… uma vez por ano todos nós fazemos aniversário. Ele foi celebrar o dele. Em menos de 4 dias ele ganhou 4kg.

4kg.
Em 4 dias.

Se eu convencesse você que tenho a fórmula para emagrecer 4kg em 4 dias, além de estar mentindo, eu ficaria rico. Pois, então. A capacidade que temos de fazer bobagem à mesa é enorme. Lembre-se daquele rodízio de pizza que você foi tempo atrás, aquela ida ao Outback, aquele churrasco “do mal”… Lembrou? Agora multiplique isso por 3 ou 4 vezes em um período de 16 horas. Esse é o tamanho do Dia do Lixo.

O nosso peso é muito resultado da nossa regra, não de nossa exceção. 1 dia a cada 6 não é exceção, é regra!

Sabe… eu tive sorte que essa pessoa se pesou depois das comemorações de aniversário. Não serviu pra mim… serviu para que ELE soubesse o peso das escolhas.

Aí voltamos aos mesmos que me disseram que “estacionaram”… Quando começaram a me passar aquilo que comeram, 100%, sem nenhuma omissão você descobre que tem uma barra de proteína com 5g de açúcar (que só você e seu nutricionista podem achar saudável) aqui, um chá de latinha com tanto açúcar quato qualquer refrigerante ali, uma pizza inocente no happy hour do trabalho, só um pão de batata no dia que saiu tarde de casa… é quase como deixar de fumar, só que dando “só” uns 2 tragos por dia. Não dá pra saber os efeitos do abandono quando não há abandono.

Não há fórmula que funcione 100%. Mas há fórmula que funcione praticamente 100% para engordar. E quem engorda, obviamente não emagrece. Achar que a cada 6 dias você tem um para fazer o dia do lixo é de um otimismo que eu não consigo compartilhar…

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (você encontra a versão impressa aqui)

Anúncios

De chocolate, leite achocolatado e pós-treino.

Tempo atrás falei rapidamente como em questão de 10 anos fabricantes de chocolate convenceram centenas de veículos, uma infinidade de profissionais de saúde e milhões de consumidores a achar que comer chocolate 70% é saudável (resumo: não, não é nada saudável). Tenhamos sempre em mente algo que funciona na vida que também SEMPRE funciona na Nutrição: nada nunca é de graça.

Em 2015 houve um episódio que mostrou a fragilidade e a baixa confiabilidade das recomendações nutricionais quando feitas em veículos impressos, TVs ou portais. Para demonstrar esse ponto, o jornalista John Bohannon divulgou propositadamente um estudo falso que dizia que “chocolate acelera o emagrecimento”. Sua Fake News foi publicada em TVs, revistas, em mais de 20 países, em mais de uma dúzia de idiomas, no maior jornal europeu e em outros diários internacionalmente famosos.

Então se chocolate não emagrece (e não é saudável)… POR QUE HÁ QUEM ACHE ACHOCOLATADO UM BOM LANCHE??

Bem antes da pegadinha de Bohannon, ainda em 2006 uma orquestragem da indústria nos enganou de outra forma. Fomos levados a acreditar que leite achocolatado (iguais aqueles que vêm em caixinha com canudinho) seriam bom repositores pós-treino. Um estudo (JOHNSTON et al) propositadamente mal desenhado foi financiado pela “Dairy and Nutrition Council” de um jeito a dar a entender que beber uma ou duas caixinhas após treinar forte era a melhor e mais barata alternativa de reposição alimentar. O resultado? Não deve haver UM veículo que cubra corrida que não tenha sugerido achocolatado como boa alternativa. Mas…

ELE NÃO É BOM. E EXPLICO OS MOTIVOS.

Tal qual isotônicos, achocolatados contêm água e energia. Mas contêm além disso proteína, cálcio e vitamina D. Porém, nutricionalmente falando, achocolatado é basicamente açúcar líquido disfarçado. MUITO açúcar. MAIS do que refrigerante.

Deixemos de lado a questão se leite pasteurizado é bom ou não (é ruim, mas fica para outra oportunidade). Esqueça que achocolatado engorda ou sabota sua dieta. Ignore que ele é feito basicamente com ingredientes artificiais ou que ele rouba o lugar de alimentos de verdade que você deveria estar consumindo. O que podemos com segurança afirmar é que achocolatado como lanche ou opção é UMA DAS PIORES alternativas que alguém pode escolher após o treino. Dizer que é melhor que isotônico não só não é verdade (o estudo não chegou a esse veredito) como não deixa de ser uma comparação esdrúxula, afinal, compara dois lixos nutricionais. Não deve haver profissional de saúde minimamente competente que sugira isotônico que não seja apenas DURANTE a corrida (ou qualquer outra atividade).

A estratégia de marketing feita com o chocolate 70% e com o achocolatado nos reforça de 2 pontos: um é que assim como qualquer outro doce, esses 2 produtos devem ser encarados como sobremesa, doce, indulgência. O segundo e mais importante é que quem mais se beneficia de chocolate 70% como saudável ou de achocolatado como pós-treino é a indústria que vende, não você que compra ou consome.

*Prefiro não entrar na questão de mães que colocam achocolatado na lancheira de seus filhos

**Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Treinador Clandestino! (você encontra a versão impressa aqui)

No meio do caminho havia uma pedra. Mas segundo a especialista era integral, então OK!

Tempo atrás eu vinha sentado em um ônibus e à minha frente havia duas mulheres. Uma bem gordinha, mal cabia no assento. Sua amiga era magra. No meio do trajeto a gordinha abre uma lancheira térmica, puxa um entre 3 tupperwares e tira um garfo plástico para comer frutas.

Apesar do enorme sobrepeso, ela tinha uma missão que o inconveniente de ser em um ônibus, ainda que vazio, não podia ser postergada: dar umas garfadas para comer alguns pedaços de frutas. Essa garota não tinha fome. O tamanho dela me faz ter certeza que se tivesse, ela teria que comer mais, comida na lancheira não faltava. Aquilo era uma tarefa, claramente instruída por um especialista.

É irônico que ano passado o Nobel vá para um defensor do jejum e o deste ano a um que estude o ciclo circadiano (relógio biológico). É tudo muito lógico que dentre as duas que vinham à minha frente, a com grande sobrepeso fosse a instruída a comer melhor e menos vezes. Mas na lógica da nutrição essa mulher tem que comer mais vezes! Faz sentido?

NENHUM, eu sei! Você não precisa me responder! Os americanos quando passaram a comer mais vezes viram explodir os índices de obesidade. As diretrizes estão erradas? Dirão que não, dirão que eles não comeram melhor. A culpa é sempre de quem tomaria o remédio de forma errada, não de quem prescreveu um remédio nunca testado.

Saí de lá com a certeza que aquela mulher vai continuar mal cabendo no banco do transporte público ainda que ela faça tudo o que o especialista mande. É bem triste. É desesperador.

*a magra não comeu um pedaço de fruta sequer. Coincidência? 
**Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (você encontra a versão impressa aqui)

Frutas são tão naturais quanto um requeijão. OU AINDA: o sabor doce não é natural.

Frutas são saudáveis? Sem dúvida!
São alimentos “bons”? Eu não iria tão longe.

Quando falamos em Emagrecimento ou de “Saúde”, podemos falar com certa segurança que existem os alimentos que atrapalham e os que não fazem nada. Nem mesmo carnes ou verduras (folhas & legumes) são essenciais. Porém, fazem nossa vida muito mais fácil quando queremos ter Saúde. As frutas nem sequer entram nesse grupo.

As frutas ao longo de nossa história evolutiva nunca foram tão doces como são hoje. Frutas como conhecemos hoje são puro resultado da agricultura, de sucessivos cruzamentos que resultaram em aumentos progressivos de tamanho e, mais importante, do sabor doce, da doçura (maior concentração de Frutose e redução da quantidade total das fibras). Lição para a vida:  a Dissociação de Interesse… o feirante e o agricultor querem te vender frutas, não aumentar sua expectativa de vida.

Melancias em pintura antiga…

Porém, o sabor doce é viciante. Fomos programados por milhares de anos a ter uma atração supernormal por ele. Não é mera coincidência que mousse de chocolate gere mais prazer e atração que um rabanete.

Costumo dizer aos clientes que atendo que hoje alguém no interior do Maranhão pode comer 2 ou 3 kiwis por dia, fruta do sudeste asiático. O primeiro kiwi que eu vi foi na adolescência. A maior manga que vi no pé que havia na casa da minha avó é menor do que a menor manga dos supermercados. Uma manga não é uma fruta. É um produto que equivale a pelo menos 2.5x do que era uma fruta de apenas 20 anos atrás.

As frutas, e isso é fascinante, na antiguidade não eram doces. Em um estímulo quase supernormal fomos com a agricultura deixando-as cada vez mais doces.

E O QUE ISSO NOS ENSINA…

Inúmeros levantamentos NÃO-conclusivos mostram que populações que comem frutas seriam mais saudáveis. Porém, atenção: isso apenas é verdade em um número muito pequeno de frutas. Mais importante ainda é que os levantamentos mais conclusivos mostram que comer a mais não é melhor.

Mais. O Reino Unido é o país que mais prega aumentar o consumo de frutas. E é também senão o mais obeso da Europa. A solução dos especialistas? Comer ainda mais frutas. Faz sentido? Lógico que não.

O QUE FAZER?

Além de fugir de especialistas assim, seguir a lógica evolutiva ajuda. Eu como frutas, poucas, as de menor açúcar. Tenho o mesmo prazer que você, só por isso as como. Mas estou longe de achar que elas sejam essenciais ou sequer importantes. Como frutas na mesma frequência que como requeijão, por exemplo. Por quê? Porque fruta é tudo, menos “natural”.

*Se você gostou do que leu aqui, estou certo de que vai gostar do que vai encontrar de surpreendente no e-book O Nutricionista Clandestino! (você encontra a versão impressa aqui)