Sobre dieta, restrições e Vid4 Lok4

Sempre que vejo um nutricionista, acadêmico ou professor dizendo que ”dieta restritiva não funciona” eu automaticamente o encaixo em basicamente 3 categorias (ou uma combinação delas). Nunca falhou! São elas:

O que não entende a lógica mais elementar, o demagogo e o ignorante.

Vejamos “dieta” no dicionário: “regime alimentar prescrito (…) com a privação total ou parcial de alguns alimentos específicos. Privação de alguns alimentos por razões de saúde.”

Então aquele que diz que uma dieta é restritiva ou não conhece um termo técnico (dieta) ou o dicionário. Parafraseando um raciocínio de Nassim Taleb, a gente pode incorporar alguma dieta em nossas vidas (trapaceando às vezes) porque ela “domestica a iatrogenia da abundância”. A dieta, assim, impõe limites à nossa vontade de comer o que der na telha.

O termo “dieta restritiva” se apoia na incapacidade técnica do profissional em questão em não saber argumentar contra a dieta low-carb e cetogênica sem oferecer algo que não tenha aquilo que ele diz que ambas têm: restrição.

Falo low-carb porque é sempre o alvo da afirmação estúpida.

Isso porque o Nutri Nesfit vai falar “sou contra restrição”, mas vai apoiar uma alternativa limitando calorias ou grandes refeições. Sabe qual o sinônimo de “limitar” no mesmo dicionário que ele não abre? Restringir!

Repita comigo: não existe dieta que ofereça saúde ou emagrecimento sem algum tipo de restrição. Não existe.

Você só pode apoiar sua estratégia em cima de proteína, carboidrato, gordura, calorias, origem dos alimentos ou uma combinação disso tudo. Mas NÃO existe dieta sem restrição! Isso porque, repita comigo:

A dieta em nossas vidas, QUALQUER QUE SEJA ELA, domestica a iatrogenia da abundância. A dieta, assim, impõe limites à nossa vontade de comer o que der na telha. Ou seja, ela RESTRINGE e SEMPRE irá restringir algo. A menos que obviamente você queira pesar 140kg ou morrer aos 45 anos.

Conhece algum amigo que acredita que a dieta dele não é restrititva? Ele pesa menos de 150kg? Então marque aí!

Sponsored Post Learn from the experts: Create a successful blog with our brand new courseThe WordPress.com Blog

WordPress.com is excited to announce our newest offering: a course just for beginning bloggers where you’ll learn everything you need to know about blogging from the most trusted experts in the industry. We have helped millions of blogs get up and running, we know what works, and we want you to to know everything we know. This course provides all the fundamental skills and inspiration you need to get your blog started, an interactive community forum, and content updated annually.

A 2a Guerra Mundial e a Nutrição

Poucas coisas fazem o mundo avançar mais do que períodos de guerra, goste vc ou não. Nutrição e guerra andam mais próximos do imaginamos.

Na faculdade NUNCA essa relação me foi citada. Vou trazer umas curiosidades.

EMAGRECIMENTO

O mais espetacular estudo já feito no tema é o Minnesota Experiment Starvation. A obra feita por causa da 2a Guerra reconta um estudo irreplicável por questões éticas. Basta ler pra saber que a ideia do déficit calórico como promotor do emagrecimento não se sustenta que não seja por desejo, preguiça ou ignorância da categoria. Reforço: o estudo mais incrível e totalmente ignorado nas faculdades chega a conclusões que derrubam a tese central da profissão.

CIGARROS

O autor do tal estudo foi Ancel Keys, que virou nome da “ração K”, dada aos combatentes. O que ia nela entre outras coisas? Cigarro. Sim, médicos prescreviam cigarros aos “atletas” mais importantes da geração. Mas você aí ainda acha uma boa ideia seguir diretriz nutricional ortodoxa.

GORDURA MATA?

Pouca gente matou mais do que Keys ao longo da história moderna. Ele é o pai da teoria da gordura saturada (e depois colesterol) como causador de doenças cardíacas. A teoria, sem embasamento sólido, é até hoje o pilar das recomendações nutricionais e médicas pra saúde do coração. E você insiste em seguir diretriz nutricional ortodoxa.

JEJUM

A escassez de alimentos durante a guerra nos reforça a tese de que a alimentação regular (a cada 3 horas) não faz sentido algum. Números históricos do período mostraram que foi na AUSÊNCIA de refeições que a saúde britânica melhorou.

GLÚTEN

O cartaz real desse post pede aos britânicos pra não comer pão, deixar aos soldados. Na Holanda foi mais duro. Sem pães eles deixaram de consumir glúten. Médicos notaram a melhora da saúde das crianças celíacas que deixavam de morrer. Resolvia-se assim um mistério de séculos! Mas não falta quem ainda ache que restringir glúten seja ruim.

LEGADO ALEMÃO

Com o fim da Guerra “pegava mal” ser adepto da “ciência alemã”. Tudo de lá era pra ser enterrado. Bom ou ruim! Eles tinham o conceito da obesidade como algo biológico, não matemático. Mas em seu lugar, nos anos 50 ganhou força um trabalho falho que ia na direção oposta.

Super alimentos!

Bate um pouco de preguiça de responder algumas perguntas recorrentes no meu instagram como: iogurte é mesmo tudo isso? E o grão de bico? O que você acha do Kefir? Queijo é bom? E a quinoa??

Perguntaram sobre se correr faz o “leite (da mãe amamentando) secar”. No privado ela disse que amigas pararam de correr porque o médico, que nunca entende de esporte, pediu.

Eu disse: não é preciso muito pra convencer alguém a parar de treinar.

Agora tente convencer a mãe a parar de comer pudim. É mais fácil fazer parar de correr do que de fumar e beber por 9 meses.

Uma nutricionista X postou que nutrição não é sobre exclusão, é sobre inclusão. Não nos ensinam via negativa na faculdade. Tirar o estressor é sempre mais efetivo num tratamento. Por isso ela fala essa bobagem.

Quer 3 super alimentos?

AÇÚCAR, ÓLEOS VEGETAIS e FARINHAS.

São 3 super alimentos negativos. Ou seja, retire os 3 da sua dieta (via negativa) e você verá a mágica acontecer.

Mas como ninguém quer correr, só quer comer pudim, vão seguir na ilusão buscando um Santo Graal e vão seguir perguntando… “E o iogurte? O queijo, o grão de bico, o kefir, a quinoa…”

P.s.: repare que nas imagens não há carne e ovos, 2 dos alimentos mais ricos que existem. Motivo: Nutrição não é ciência, é sentimento, é doutrinação.

Obesidade e Aposentadoria no esporte – parte 5

O homem da foto é Orlando Franklin. Ele é um ex-jogador profissional da NFL, a poderosa franquia americana de Futebol Americano. Ao se aposentar Franklin decidiu emagrecer.

As diretrizes da Nutrição dizem que, apesar de nossa Biologia, o nosso peso é resultado de uma equação matemática, consequência do (des)balanço entre calorias ingeridas e gastas.

Uma das duas orientações principais é reduzir o consumo calórico. Basicamente passar fome, ou comer alimentos com gosto de serragem. Isso porque há 2 elementos que dão sabor ao ser humano: carboidrato e gordura.

A ortodoxia pede que você corte a gordura (dieta low-fat) e passe a tirar sabor do carboidrato, justamente o nutriente que estimula a produção do nosso hormônio engordativo (insulina).

Por um delírio coletivo, os profissionais da ortodoxia acham ser possível ter dietas insípidas (a menos que venham com elementos artificiais) e carregadas do elemento engordativo (+carboidrato -> +insulina -> +gordura corporal). *aqui um adendo, o nutriente mais rico, a proteína, é temida pela ortodoxia.

A outra ponta da diretriz pede maior gasto energético. Mas como gastar mais calorias que os atletas mais bem pagos do mundo segundo a Forbes??

Franklin, que não é da área, mas possui “pele em jogo”, escolheu outra saída. Sabe qual?

O ex-jogador adotou a Dieta Paleo.

Vou confessar uma coisa: a primeira vez que ouvi falar da dieta eu a rechacei com força. Como a dieta “do homem das cavernas” pode ser melhor que a dos doutores que me deram aula??

Enquanto meus professores negam a realidade, a Dieta Paleo replica a dieta que serviu MUITO BEM à espécie por centenas de milhares de anos. Com ela – atenção! – é MUITO difícil engordar porque ela NÃO estimula nosso hormônio mais engordativo!

Em um ambiente BIOLOGICAMENTE NÃO engordativo, o corpo de Franklin foi voltando ao equilíbrio, saiu do ESTADO METABÓLICO (=síndrome) de obesidade e derreteu 38kg.

Como disse, eu tinha MUITO preconceito com o conceito Paleo, mas ele tem algo que a Nutrição não tem: um histórico de SEGURANÇA e de ENORME sucesso evitando a obesidade.

WORKSHOP Jejum, Saúde & Atividade Física!

É com enorme alegria que chegamos pra lançar nossa turma 3 do Workshop JEJUM, SAÚDE & ATIVIDADE FÍSICA!
Uma semana inteira falando o que você nunca ouviu sobre o tema!
Duvida? Participe! Encontrará coisas que nunca te disseram! 

Você sairá mais afiado do que a maioria dos profissionais da área!

QUANDO? De 14 a 18 de dezembro.

O SAL, uma história – parte 4.

Ou ainda: sobre SAL, CABRAS, ALCES, NORMAL & SUPERNORMAL

Um amigo me enviou dias atrás as imagens de cabras subindo enormes e assustadoras barreiras verticais para poderem lamber suas pedras em busca de sal. Recebi também a notícia de órgãos canadenses pedindo que a população por segurança não deixe os alces lamberem os carros (em busca de sal).

A maioria dos especialistas dirá para você evitar o sal. Já a mãe natureza, MUITO mais sábia, ensina animais a correrem enormes risco de vida atrás desse elemento ESSENCIAL à vida.

Reforço: é mais fácil morrer (ou matar alguém) retirando sal do que dando sal em excesso.

Esse ponto é crucial para entender a questão do sal! Sua falta é tão perigosa que animais correm riscos atrás dele. E por que não precisamos nos preocupar com seu excesso? Por dois motivos:

O primeiro é que o corpo não sabe lidar bem com a falta de sal, mas sabe MUITO bem o que fazer de forma segura com seu excesso.

E o segundo motivo é uma consequência disso. O sal nos dá um feedback (retroalimentação) do tipo NORMAL. Isso quer dizer que quando consumimos sal em quantidade suficiente o corpo tem um modelo que sinaliza pedindo que paremos.

Mas há ainda outro tipo de feedback, o do tipo SUPERNORMAL. Esse é aquele que faz você querer consumir algo sem parar! Você quer consumir mais e mais, até quase morrer por causa de suas consequências. Você tem essas características no açúcar e nos narcóticos, por exemplo. Mas você NÃO tem isso no sal ou na carne!

O sal – novamente, é essencial que compreenda isso para melhor entender nossa relação com este elemento – é um marcador de MUITOS alimentos que possuem feedback do tipo supernormal.

Como NÃO existe na natureza alimentos que tenham açúcar (ou amido) E gordura, estes são comidas com feedback supernormal. Fast-food é assim! Só que o problema do fast-food NÃO é o sal, mas a combinação de açúcar, amido e dos óleos vegetais!

Encare o sal, um marcador, quase como os carros de bombeiro. Eles não CAUSAM o incêndio (hipertensão), mas lá estão quando ele acontece! Vilanizar o sal é vilanizar os bombeiros. Porém, ambos são MUITO bem-vindos!

Jejum & Saúde – Live

Você sabe o que é JEJUM? Os benefícios? O que quebra? Por que tanta gente resolveu falar disso agora? As vantagens, segurança, etc..?
Pois nesta 4a feira, eu e a Paula Narvaez faremos um live DEFINITIVA pra tirar todas as suas dúvidas para que VOCÊ possa FAZER e PRATICAR sem mistérios, sem atravessadores, sem consulta!
Tudo isso por apenas R$9,90!! É agora ou nunca!!
Vem com a gente! Clique aqui e garanta sua inscrição! A prática mais segura e natural da humanidade sem mistérios e com os benefícios à sua mão e seu alcance!
 

O SAL, uma história – parte 3.

Vou falar algo que NUNCA te contaram! A insulina (liberada quando consumimos açúcar, grãos, tubérculos e suas farinhas) sinaliza aos rins pra que eles retenham sódio. Isso pra que o corpo retenha mais água pra aumentar o volume plasmático, diluindo o açúcar (glicose), fazendo cair a glicemia.

Imagine que sua casa tem ao todo 50m de canos (nossas artérias). Os 50m de cano da casa tem que agora acomodar mais água. Só que com os mesmos 50m, mais água significa aumento da pressão!

É ISSO que acontece quando elevamos nossa insulina ao comer muito amido ou açúcar. Não que o AÇÚCAR (ou o amido e glicose) retenham sal, mas é a INSULINA que faz isso! Veja que curioso: não é o SAL, mas o AÇÚCAR (insulina!) que eleva a pressão! O sal é a ferramenta pra elevá-la, não é a CAUSA!

Hipertensão é assim causada pelo corpo em resposta ao consumo de AÇÚCAR & AMIDO! NÃO de sal!

A miopia na turma da saúde vem ainda por outra razão. Muitos alimentos industrializados são ricos em sal! Isso porque o sal é um estabilizador e um elemento que dá mais palatabilidade às receitas (pergunte a qualquer doceira de mão cheia, elas colocam pitadas de sal nas receitas de doce). Ele é barato, prático e eficiente! O refrigerante é doce? SIM! E nele vai muito SAL! A indústria SABE há décadas desse poder dele!

Por isso ainda que quando um hipertenso emagrece (geralmente reduzindo seus níveis de insulina, o hormônio engordativo) a hipertensão também cai! (nisso até “especialistas” de meia tigela da TV acertam sem saber pedindo que emagrecimento. Não é o peso que tem que cair, mas os níveis de insulina!)

Estou quase acabando!

Caso amanhã inventem fast-food com ZERO sal (ou sódio) ele continuará sendo maléfico ao hipertenso porque fast-food por natureza tem carboidrato refinado, elevando a INSULINA, ele contendo ou não sal.

Pra encerrar, o cético deve estar pensando: “quer dizer então que o Balu se acha o gênio que viu algo que o mundo inteiro nunca viu?”

NÃO! TUDO que escrevi acima está na página 2 de qualquer livro VAGABUNDO de fisiologia! É sabido há muito tempo! Não se esqueça: diretrizes nutricionais e médicas envolvendo saúde, emagrecimento e hipertensão são baseadas em sentimento, desejo e pensamento por aproximação.

O SAL, uma história – parte 2.

Falei dias atrás sobre borboletas beberem lágrimas de tartarugas e elefantes lamberem sal pra conseguir sódio.
Nutricionistas e médicos vivem falando que SAL faz mal, que causa hipertensão… SERÁ?!?
As diretrizes recomendam sal com moderação. Mas a absoluta maioria de nós ultrapassa o valor pedido.
Os especialistas alegam que sal é perigoso porque aumenta a pressão arterial e o risco cardíaco e renal. Existem evidências? Se bem me conhece já deve imaginar que não, afinal, as diretrizes não se baseiam em evidências, mas em sentimentos e desejos.
Consumir sal tem um efeito AGUDO no aumento da pressão. O corpo retém mais água pra compensar o aumento do sódio. Por isso alimentos salgados dão sede, é uma resposta natural, é o corpo cuidando do equilíbrio. A retenção líquida aumenta a pressão que cairá quando os rins eliminarem sal e água. Ou seja, é uma hipertensão MOMENTÂNEA.
O desafio é descobrir quando o efeito agudo vira crônico com consequências sérias. Ao focarmos a atenção no sal/sódio como causa corremos o risco de deixar passar o verdadeiro vilão.
A origem da teoria do sal como causa da hipertensão é de 1940 quando o médico Wallace Kempner desenvolveu a “dieta do arroz” e SEM EVIDÊNCIAS convenceu uma geração de médicos sobre a tese.
A dieta dele restringia fortemente o sal. Porém, Kempner também mexia com a quantidade de OUTROS nutrientes. Quando a dieta não funcionava, usava-se o argumento tão usado quando não se sabe a resposta do problema: terceirizava a culpa. Se a pressão não caía, a culpa era do paciente. É como fazem hoje quando a pessoa não emagrece cortando calorias!
Não existem evidências que justifiquem as recomendações para reduzir o consumo de sódio. Mais do que isso: não sabemos qual o excesso de sal que faz mal, mas sabemos que POUCO sal é BEM PERIGOSO! Exemplo: a dose equivalente para fazer um rato hipertenso equivale a 500g de sal a um humano adulto!
Bom, o que era hipótese virou norma, AINDA QUE SEM provas. A diretriz hoje se apoia em um ÚNICO estudo, o DASH, feito em 2001 e que durou apenas 30 dias com somente 412 indivíduos!
Como é bem típico na Nutrição, as diretrizes quanto ao consumo de sal parecem ignorar a ciência!

O SAL, uma história.

Repare nas borboletas do  vídeo que vai abaixo… Elas pousam para beber a lágrima das tartarugas por causa do sal. Isso mesmo! Esse é um hábito desses insetos porque o sal é essencial à vida. Animais como os elefantes lambem pedras para conseguir sal.

Sal, aliás, é tão importante que era moeda de negociação na antiguidade.

Você sabia que é mais fácil matar alguém tirando sal do que dando sal?? Isso porque ele é um elemento que percebemos quando está em excesso. A ideia de que sal faz mal, aliás, é tão estúpida que só pode ser defendida por acadêmicos… Sal é um marcador de quando o alimento é processado, industrializado, ele não é a causa, mas um sinal da baixa qualidade nutricional.

A teoria de que sal causa hipertensão é de uma teoria preguiçosa ainda da metade do século passado, da qual falei bastante aqui. Ao longo dos séculos o consumo de sal, aliás, só caiu e o de hipertensão apenas… subiu!

Tirar o sal da comida é como achar que os sapatos dão ressaca porque sempre quando acorda morrendo de dor de cabeça percebe que dormiu com eles. Não são os sapatos, é o álcool! Não é o sal, é muito provavelmente o açúcar! (Foi ESTE que aumentou em paralelo com a hipertensão)

O convido então a ler o que nunca te contaram sobre sal e hipertensão!